Info

Assembleia Municipal de Braga aprova venda da antiga saboaria Confiança

| Norte
Porto Canal com Lusa

Braga, 05 out (Lusa) - A Assembleia Municipal de Braga aprovou hoje de madrugada a venda da antiga saboaria Confiança, com os votos contra da oposição socialista, bloquista e comunista e sob contestação do público.

A alienação da antiga fábrica de sabonetes foi aprovada por 44 votos a favor e 29 contra e acabou por preencher toda a reunião daquela câmara.

Antes da votação, no período no qual o público pode participar, foram vários os munícipes que subiram ao púlpito para tecerem críticas à opção do executivo camarário de vender a saboaria Confiança. Durante quase 40 minutos apelaram aos deputados municipais para que "respeitassem a vontade do povo" e não aprovassem a venda do "último reduto da era industrial bracarense".

Ainda antes do início da discussão dos pontos da agenda, o PS, CDU e BE apresentaram uma recomendação para que fosse retirado da ordem de trabalhos o ponto sobre a alienação da Confiança e que o assunto baixasse à Comissão de Educação e Cultura, pedido que foi rejeitado por 43 votos, uma abstenção e 30 a favor.

Quanto aos cidadãos, estes deixaram fortes críticas ao caderno de encargos do negócio, defendendo que não salvaguardava "nada do património além do fachadismo", cabendo ao líder parlamentar da maioria PSD/CDS-PP/PPM, que gere o município, João Granja, a defesa da daquele documento.

"Dizer que este caderno não introduz condicionantes não é correto, nem as pessoas estão a ser sinceras. Vejamos, terá que ser mantida a identidade da volumetria existente, é obrigatória a preservação das três fachadas do edifício, obrigatoriedade da integração da memoria da chaminé, não se permite a instalação de comércio, deverá ser mantida a forma e o desenho das coberturas, obrigatoriedade de criação de áreas ou espaços que evoquem a memoria da fábrica de acesso publico", argumentou João Granja.

Segundo o deputado, a venda do complexo da antiga saboaria será uma nova era: "vamos passar a uma nova fase da vida da Confiança, ficando claro que esta será uma forma de salvaguardar a memória e o património".

Do lado da oposição as críticas foram muitas, desde "oportunismo politico", a "cambalhotas", uma vez que o atual presidente da câmara de Braga, Ricardo Rio, foi um dos impulsionadores da expropriação da Confiança, em 2011, a favor da autarquia.

"Hoje assistimos ao enterro da credibilidade de Ricardo Rio", defendeu o deputado municipal socialista Eduardo Gouveia.

"Não existiu nenhuma vontade em procurar soluções, este foi um exemplo brilhante de autocracia, falta de democracia e de sentido de cidade. Não estamos a pedir que não vendam. Se no fim do caminho se chegar à conclusão que a única solução é vender, vedam. Mas façam esse caminho", pediu o socialista Pedro Sousa.

Para a CDU, pela voz da deputada municipal Bárbara Seco, a "decisão unilateral" do PSD/CDS-PP/PPM "deixa pelo caminho todos os que se juntaram para pensar no futuro de Braga", defendendo que "o que está em causa ao alienar a Confiança é o fechar as portas às inúmeras possibilidades que a cidade podia encontrar para aquele espaço".

Já o deputado municipal do BE, António Lima, lembrou que "o estado de abandono é o executivo camarário que votou aquilo [o edifício] ao abandono, as associações culturais querem lá estar, ocupar o espaço, fizeram essa proposta antes das eleições e o senhor presidente da câmara fugiu"

Por fim, o presidente da Junta de Freguesia de S. Vítor, onde se situa a antiga saboaria, votou contra a venda do complexo e expressou que "gostava de ter sido ouvido antes" da decisão tomada pelo executivo.

JYCR// MIM

Lusa/Fim

+ notícias: Norte

Tribunal de Instrução Criminal do Porto ouve terceiro de cinco suspeitos de viciação de contratos públicos

O Tribunal de Instrução Criminal (TIC) do Porto reatou este domingo de manhã os interrogatórios no âmbito da alegada viciação de procedimentos de contratação pública, com a audição do terceiro dos cinco arguidos, disse um advogado do processo.

Autores de inquérito polémico a alunos do Porto diz que escola tinha conhecimento prévio

A associação que distribuiu um inquérito a alunos do 5.º ano com perguntas sobre opções sexuais garante que todos os materiais trabalhados com menores de idade são do conhecimento prévio das direções escolares.

Autoridades apreendem no Porto 1.500 peças em ouro e 17 diamantes

Mais de 1.500 peças em ouro, 17 diamantes e 140 mil euros foram apreendidos no Porto pela Unidade de Ação Fiscal da GNR e pela Autoridade Tributária, informou este sábado fonte policial.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.