Info

Assembleia Municipal de Braga aprova venda da antiga saboaria Confiança

| Norte
Porto Canal com Lusa

Braga, 05 out (Lusa) - A Assembleia Municipal de Braga aprovou hoje de madrugada a venda da antiga saboaria Confiança, com os votos contra da oposição socialista, bloquista e comunista e sob contestação do público.

A alienação da antiga fábrica de sabonetes foi aprovada por 44 votos a favor e 29 contra e acabou por preencher toda a reunião daquela câmara.

Antes da votação, no período no qual o público pode participar, foram vários os munícipes que subiram ao púlpito para tecerem críticas à opção do executivo camarário de vender a saboaria Confiança. Durante quase 40 minutos apelaram aos deputados municipais para que "respeitassem a vontade do povo" e não aprovassem a venda do "último reduto da era industrial bracarense".

Ainda antes do início da discussão dos pontos da agenda, o PS, CDU e BE apresentaram uma recomendação para que fosse retirado da ordem de trabalhos o ponto sobre a alienação da Confiança e que o assunto baixasse à Comissão de Educação e Cultura, pedido que foi rejeitado por 43 votos, uma abstenção e 30 a favor.

Quanto aos cidadãos, estes deixaram fortes críticas ao caderno de encargos do negócio, defendendo que não salvaguardava "nada do património além do fachadismo", cabendo ao líder parlamentar da maioria PSD/CDS-PP/PPM, que gere o município, João Granja, a defesa da daquele documento.

"Dizer que este caderno não introduz condicionantes não é correto, nem as pessoas estão a ser sinceras. Vejamos, terá que ser mantida a identidade da volumetria existente, é obrigatória a preservação das três fachadas do edifício, obrigatoriedade da integração da memoria da chaminé, não se permite a instalação de comércio, deverá ser mantida a forma e o desenho das coberturas, obrigatoriedade de criação de áreas ou espaços que evoquem a memoria da fábrica de acesso publico", argumentou João Granja.

Segundo o deputado, a venda do complexo da antiga saboaria será uma nova era: "vamos passar a uma nova fase da vida da Confiança, ficando claro que esta será uma forma de salvaguardar a memória e o património".

Do lado da oposição as críticas foram muitas, desde "oportunismo politico", a "cambalhotas", uma vez que o atual presidente da câmara de Braga, Ricardo Rio, foi um dos impulsionadores da expropriação da Confiança, em 2011, a favor da autarquia.

"Hoje assistimos ao enterro da credibilidade de Ricardo Rio", defendeu o deputado municipal socialista Eduardo Gouveia.

"Não existiu nenhuma vontade em procurar soluções, este foi um exemplo brilhante de autocracia, falta de democracia e de sentido de cidade. Não estamos a pedir que não vendam. Se no fim do caminho se chegar à conclusão que a única solução é vender, vedam. Mas façam esse caminho", pediu o socialista Pedro Sousa.

Para a CDU, pela voz da deputada municipal Bárbara Seco, a "decisão unilateral" do PSD/CDS-PP/PPM "deixa pelo caminho todos os que se juntaram para pensar no futuro de Braga", defendendo que "o que está em causa ao alienar a Confiança é o fechar as portas às inúmeras possibilidades que a cidade podia encontrar para aquele espaço".

Já o deputado municipal do BE, António Lima, lembrou que "o estado de abandono é o executivo camarário que votou aquilo [o edifício] ao abandono, as associações culturais querem lá estar, ocupar o espaço, fizeram essa proposta antes das eleições e o senhor presidente da câmara fugiu"

Por fim, o presidente da Junta de Freguesia de S. Vítor, onde se situa a antiga saboaria, votou contra a venda do complexo e expressou que "gostava de ter sido ouvido antes" da decisão tomada pelo executivo.

JYCR// MIM

Lusa/Fim

+ notícias: Norte

Greve paralisou Metro do Porto com adesão de "98 a 99%"

A greve desta segunda-feira dos "cerca de 200" profissionais da ViaPorto ao serviço da Metro do Porto teve uma "adesão entre os 98% e os 99%", levando a uma paralisação quase total, segundo o sindicato.

Todas as corporações de bombeiros de Bragança aderiram ao protesto da Liga

O presidente da Federação Distrital dos Bombeiros de Bragança, Diamantino Lopes, adiantou hoje que todas as corporações de bombeiros desta região aderiram ao protesto da Liga, escusando-se a responder e reportar à Proteção Civil.

Estações vazias e autocarros cheios marcam manhã de greve do metro em Gaia

Estações desertas, mais táxis a circular e autocarros cheios é o cenário nesta segunda-feira de manhã em Vila Nova de Gaia, um dos pontos mais requisitados para o acesso ao Porto, em dia de greve do metro.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.