Info

Sindicato acusa hotelaria e restauração do Norte de incumprimento da nova tabela salarial

| Norte
Porto Canal com Lusa

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores de Hotelaria e Similares do Norte afirmou esta segunda-feira no Porto que “a grande maioria” das empresas do setor no Norte “não está a cumprir a nova tabela salarial”.

Atualizado 28-08-2018 11:59

“Numa ronda pelas principais cidades dos distritos da região Norte concluímos que a grande maioria dos patrões das empresas do setor da hotelaria e restauração não está a cumprir a nova tabela salarial que entrou em junho, mas tem efeitos a abril”, disse Francisco Figueiredo.

Numa conferência de imprensa realizada junto ao Hotel Brasileira Porto, o dirigente sindical sublinhou que a nova tabela salarial “representa para estes trabalhadores, que estiverem sete anos sem aumentos salariais, um aumento de cerca de 8,8%, portanto, um aumento significativo”.

Nesta visita pela região, o sindicato verificou que “há distritos como Braga, Viana do Castelo, Vila Real ou Bragança onde praticamente ninguém cumpre a tabela salarial mesmo no setor do alojamento”.

Na cidade do Porto, segundo Francisco Figueiredo, “há, de facto, um grande número de hotéis que cumpre, talvez até a maioria cumpra a nova tabela salarial, mas já em relação à restauração, a maioria dos cafés, restaurantes e pastelarias da cidade também não cumpre”.

“Verificámos também nestas visitas que, em geral, a regra dos dois dias de descanso semanal não é respeitada, o trabalho em dia feriado não é pago e o regime de carreiras das diuturnidades também não é respeitado”, acrescenta.

O dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Norte afirmou que já deu conta desta situação à Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), em junho.

“Reunimos em Lisboa no sentido de pedir uma intervenção geral no setor, porque estes trabalhadores trabalham sem proteção e se não for a inspeção de trabalho a atuar de forma sancionatória e não autorreguladora, os problemas não se resolvem”, frisou.

De acordo com Francisco Figueiredo, “os horários imprevisíveis e infindáveis, os ritmos de trabalho intensos, a precariedade dos vínculos laborais, o trabalho ilegal e clandestino, o trabalho não declarado, os baixos salários praticados levam à fuga dos trabalhadores do setor e à existência de dificuldades de contratação de novos trabalhadores”.

“Estas condições violentas de trabalho provocam uma grande desmotivação e situações graves na saúde, como o stresse, depressão, ansiedade, dependência medicamentosa, cansaço, fadiga e o desmoronamento do ambiente familiar, sendo estas as verdadeiras razões que levam os trabalhadores a abandonarem o setor e a não quererem voltar”, considerou.

+ notícias: Norte

Assalto deixa escola básica de Vila do Conde sem equipamentos informáticos

A Escola Básica de Bento de Freitas, em Vila do Conde, foi hoje de madrugada assaltada, tendo sido levados equipamentos informáticos, informou à agência Lusa o presidente do Agrupamento de Escolas Frei João.

Encarregados de educação exigem reforço de funcionários na Escola Básica Manuel António Pina em Vila Nova de Gaia

Os pais da Escola Básica Manuel António Pina, em Vila Nova de Gaia, concentraram-se esta terça-feira de manhã à porta do estabelecimento de ensino. Protestam contra a falta de funcionários e estão a recolher assinaturas para fazerem chegar à Assembleia da República uma petição para alterar a lei dos rácios.

Assaltantes levam cofre com cinco mil euros de uma Associação em Paredes

Um grupo de assaltantes levou, esta terça-feira de manhã, um cofre com cerca de cinco mil euros, documentos e outros bens da Casa do Povo de Sobreira, em Paredes, apurou o Porto Canal com fonte da GNR.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.