Jornal Diário Jornal das 13

Incêndios: Cristas questiona tempo que comando nacional demorou a assumir Monchique

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 08 ago (Lusa) - A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, manifestou-se hoje perplexa com a duração do incêndio em Monchique, que lavra há seis dias, questionando o tempo que o comando nacional levou a assumir o seu combate.

"Ficamos perplexos. Como é que há um incêndio a lavrar há seis dias sem ainda estar totalmente dominado?", questionou Assunção Cristas.

Numa conferência de imprensa na sede nacional do CDS, em Lisboa, após reunir a comissão executiva do partido, a líder centrista disse não querer "fazer comentários em excesso" sobre um incêndio ainda por dominar, mas sublinhou que "o Governo tem estado ausente" e deixou questões.

"Porque é que demorou cinco dias para que este incêndio tenha sido assumido pelo comando nacional?", interrogou-se, sempre dizendo que não deve haver muito "ruído político" neste momento sobre aquele incêndio.

Assunção Cristas apontou que no "Algarve se concentraram muitos esforços, precisamente por se saber que era uma zona de risco", apontada pelos especialistas, e que o primeiro-ministro deu garantias de que "estava tudo preparado".

"Esses esforços não foram capazes de impedir que um incêndio esteja a lavrar por seis dias neste momento", vincou.

Deixando uma "palavra de solidariedade" a quem combate o incêndio, Assunção Cristas esclareceu que não visitará a zona, apesar de regressar hoje ao Algarve, retomando as suas férias.

"Não faz sentido estar a ir para o teatro das operações enquanto as operações estão em curso, sempre o dissemos e sempre o fizemos. No ano passado, fui ao terreno quando o incêndio ficou extinto", respondeu, quando questionada sobre uma eventual deslocação.

A presidente do CDS sublinhou que, "coisa diversa, é pedir explicações ao Governo em funções e responsável pelo que se está a passar": "Não precisa de ser no local, se calhar nem deve ser no local, mas deve ser no sítio próprio".

"Naturalmente, a seu tempo, procuraremos perceber porque é que as coisas não funcionaram como era suposto ou como todos desejaríamos, certamente, no Algarve", afirmou.

A reunião da comissão executiva do partido foi convocada, de acordo com Assunção Cristas, devido à situação vivida nos serviços públicos, designadamente no Serviço Nacional de Saúde e nos serviços de transportes públicos, como os comboios.

ACL // ZO

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Governo decreta dispensa de trabalhadores que sejam bombeiros nos distritos em alerta

O Governo determinou esta sexta-feira a dispensa de funcionários públicos e do setor privado que sejam ao mesmo tempo bombeiros nos distritos em alerta vermelho "face ao significativo agravamento do risco de incêndio florestal".

BE quer aproximar salários dos trabalhadores aos dos gestores

O Bloco de Esquerda (BE) quer diminuir a desigualdade salarial entre os gestores e os trabalhadores da mesma empresa em Portugal, avançando com um projeto de lei que abre a porta à fixação de rácios.

Atualizado 18-08-2018 11:50

Governo quer acabar com a reforma obrigatória na Função Pública

O Governo prepara-se para acabar com a reforma obrigatória dos funcionários públicos aos 70 anos. Esta é uma regra com quase um século que tem sido bastante criticada mas que ainda assim não é consensual.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

Olá Maria!

Trend(i) - diferentes tipos de bolsas...

N'Agenda

Exposição 'Amor com amor...