Info

Menos de 10% das vagas médicas por preencher, Ordem saúda candidaturas

| País
Porto Canal com Lusa

O concurso para a entrada de médicos recém-especialistas no Serviço Nacional de Saúde ficou com 117 das 1.234 vagas por preencher, mas a Ordem sublinha que a proporção de candidatos é até mais alta que o habitual.

"Este concurso abriu mais vagas do que os potenciais candidatos. Numa análise que é ainda superficial, a percentagem de candidatos recém-especialistas deste concurso é mais alta do que o habitual. Isto mostra que quanto mais cedo abrem os concursos, maior é a percentagem de ocupação de vagas", disse à agência Lusa o bastonário da Ordem dos Médicos.

O jornal Público noticia hoje que das 1.234 vagas postas a concurso, concorreram 1.117 médicos, ficando por preencher 117 vagas (menos de 10%).

O bastonário dos Médicos, Miguel Guimarães, entende que este concurso "terá sido um daqueles em que mais recém-especialistas concorreram", indicando que houve até várias especialidades com mais candidatos do que vagas abertas.

As várias estruturas médicas pressionaram este ano o Governo para que não se atrasasse a abrir os concursos para os jovens que terminaram o internato este ano, depois de no ano passado o concurso ter demorado mais de 10 meses a abrir.

Quando foram anunciadas as 1.234 vagas para o concurso deste ano, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, explicou que abriu entre "10% a 15% de vagas acima dos médicos que terminaram o internato", sobretudo para tentar captar médicos de fora do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Em relação a este objetivo, o bastonário dos Médicos entende que pode ter falhado, mas indica que é necessário aguardar por dados mais concretos do Ministério da Saúde.

Das 1.234 vagas, 378 eram para medicina geral e familiar e 856 para áreas de especialidade hospitalar e para saúde pública.

+ notícias: País

Toda a costa portuguesa sob aviso laranja devido à agitação marítima

Toda a costa de Portugal continental está hoje e na sexta-feira sob aviso laranja devido à previsão de agitação marítima forte, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Em 2018 morreram 37 trabalhadores no sector da construção civil

Este ano morreram 37 trabalhadores no sector da construção civil. As contas são do Sindicato da Construção de Portugal, que admite que em 2019 possam vir a morrer mais trabalhadores, devido ao aumento do trabalho clandestino.

Portugueses gastam cada vez menos no natal

Os portugueses gastam cada vez menos no natal. Um estudo da 'Deloitte' refere que os portugueses planeiam gastar uma média de 314 euros este ano mas ainda há quem considere este valor baixo para a época festiva.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.