Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Governo revê em baixa para 0,7% meta do défice deste ano

Governo revê em baixa para 0,7% meta do défice deste ano
| Política
Porto Canal com Lusa

O Governo reviu em baixa a meta do défice deste ano para 0,7% do PIB, segundo o Programa de Estabilidade 2018-2022 entregue hoje ao parlamento, apesar de o BE exigir a manutenção da meta acordada no orçamento.

No Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), Governo e parceiros parlamentares -- PCP, Bloco de Esquerda (BE) e partido 'Os Verdes' (PEV) -- tinham se comprometido com um défice orçamental de 1,1%.

No Programa de Estabilidade 2017-2021, apresentado há cerca de um ano, o executivo liderado por António Costa estimava que o défice orçamental de 2018 fosse de 1% do Produto Interno Bruto (PIB) e que o de 2019 fosse de 0,3%. A partir daí, o Governo antecipava excedentes orçamentais: de 0,4% em 2020 e de 1,3% e em 2021.

O Programa de Estabilidade 2018-2022 é debatido na Assembleia da República em 24 de abril e o CDS já anunciou que vai apresentar, à semelhança de anos anteriores, um projeto de resolução para que o documento seja rejeitado. Nos anos anteriores, o PS contou com o apoio dos parceiros parlamentares.

Depois, o documento é remetido para a Comissão Europeia até ao final do mês.

+ notícias: Política

Manuel Heitor reconhece atrasos na contratação de bolseiros mas culpa instituições

Manuel Heitor diz que os atrasos na contratação de bolseiros são da responsabilidade das instituições onde estes trabalham. O Ministro da Ciência garante que do lado do Governo não há mais nada a fazer.

Municípios rejeitam propostas de habitação do Governo

A direcão da Associação Nacional de Municípios rejeitou duas das propostas do Governo para a habitação apresentadas esta semana, o programa 1º Direito e o Programa Arrendamento Acessível. É que apesar das autárquias quererem ter mais competências nesta matéria avisam que são necessárias as devidas e proporcionais transferências financeiras.

Tiago Brandão Rodrigues nega ilegalidades no concurso extraordinário de professores

O Ministro da Educação nega ilegalidades no concurso extraordinário de professores. A propósito das críticas da FENPROF sobre o concurso Tiago Brandão Rodrigues diz que houve negociação e que "legalmente foi tudo acautelado.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS