Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

António Costa elege política de "habitação acessível" como prioridade para 2ª metade da legislatura

| Política
Porto Canal com Lusa

O secretário-geral do PS, António Costa, elegeu este sábado como prioridade para a segunda parte da legislatura criar uma política de habitação que dê a possibilidade à classe média e aos jovens de arrendarem casa nos centros das cidades.

António Costa disse ser necessário as autarquias fazerem "mais e melhor" em áreas como a saúde, educação e valorização do património, entre outras, no âmbito da descentralização de competências, para que o Governo "possa também assumir novas politicas em áreas decisivas", como a habitação.

"Temos de ter uma política de habitação acessível para a classe média e, em particular, para as novas gerações", que se confrontam com preços "inacessíveis" no mercado do arrendamento.

Contudo, salientou, "a solução não é travar o turismo", porque é "algo fundamental" para a economia.

Para o líder socialista, que falava esta tarde em Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, no âmbito da apresentação da candidatura de Eduardo Vítor Rodrigues à autarquia local, as cidades têm de estar "cada vez mais abertas" ao turismo e a chave agora é criar essa oferta de arrendamento acessível nos centros das cidades.

+ notícias: Política

CDU/Porto defende "medidas de emergência" para realojar famílias despejadas

A CDU/Porto defendeu este domingo a criação de “medidas de emergência” para realojar moradores despejados, desafiando o presidente da Câmara, Rui Moreira, a ser agora tão proativo como já foi em relação a outras matérias, como o Infarmed.

António Costa diz que é preciso que o país se habitue a não aguardar por tragédias

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou este domingo que o país tem de se habituar "a não aguardar pelas tragédias" para dar importância àquilo que é estrutural, elegendo a floresta e o interior como prioridades.

Atualizado 18-06-2018 13:54

Pedrógão Grande: Presidente da Repíblica diz que responsáveis políticos estão a fazer o que podem mas é preciso mais

O Presidente da República afirmou este domingo que os responsáveis políticos estão "a fazer o que podem" para combater os problemas evidenciados pelos fogos, mas sublinha que é preciso mais, para garantir há um empenho duradouro, prolongado e persistente.

Atualizado 18-06-2018 13:50

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.