Info

Festival Internacional de Fotografia de Viseu espera mais de 18 mil visitantes

| País
Porto Canal com Lusa

Viseu, 10 abr (Lusa) -- Alguns dos fotógrafos mais influentes da atualidade participam, de 05 de maio a 04 de junho, no Fujifilm -- Festival Internacional de Fotografia de Viseu, que deverá ser visitado por mais de 18 mil pessoas.

"Estimamos que o festival seja visto por 18 mil a 26 mil pessoas", afirmou hoje o seu diretor artístico, John Gallo, acrescentando que mais de 600 mil pessoas deverão ser alcançadas 'on line' e que entre 150 mil e 300 mil 'instagrammers' terão contacto com o festival.

John Gallo explicou que as questões sociais e o ambiente são os temas centrais do festival, que privilegiará o ensaio fotográfico.

"São temas se calhar um bocadinho cansados, porque toda a gente fala disto, mas, na perspetiva da fotografia e sobretudo de um festival desta dimensão, fazia sentido começarmos por aqui", justificou.

O responsável frisou que o festival tem "uma particularidade que o distingue de todos os outros que acontecem em Portugal: ele ancora-se no ensaio fotográfico, ou seja, tudo aquilo que vai ser exibido a partir de dia 05, à exceção de um cantinho para os 'instagrammers', são ensaios fotográficos de fotógrafos quase todos eles consagrados".

"São histórias contadas pela fotografia", sublinhou.

Na sua opinião, "embora saia um pouco desta lógica do ensaio, o 'instagram' é interessante para dar uma dimensão mais contemporânea ao festival".

O festival tem uma dimensão internacional, possibilitando ver em Viseu, por exemplo, a exposição individual "Europe's New Borders", de Rasmus Degnbol (Dinamarca), que já esteve no Museum of Modern Art (MoMA) de Nova Iorque.

No que respeita à dimensão nacional, John Gallo destacou a exposição individual "Talibes, Modern Day Slaves", de Mário Cruz, fotojornalista da agência Lusa, que no ano passado venceu o prémio World Press Photo, na categoria Temas Contemporâneos, com este trabalho.

Mas o festival tem também uma dimensão local, envolvendo a cidade, os seus fotógrafos e algumas das suas escolas.

A brasileira Letícia Valverdes, cuja avó era do Mundão (Viseu), vai estar durante um mês a trabalhar no ensaio "Postcards for my portuguese grandmother", que depois resultará numa exposição.

No total, o festival integra 14 exposições, sendo uma coletiva e 13 individuais, com 18 ensaios expostos.

Segundo John Gallo, entre os fotógrafos que estarão em Viseu a propósito do festival há premiados pela UNESCO, vencedores do World Press Photo ou aqueles que tiveram exposições no MoMA.

Destacou também a presença de Roger Tooth, diretor de fotografia do jornal britânico The Guardian, numa palestra e numa 'masterclass'.

No que respeita a fotógrafos portugueses, realçou os nomes de Homem Cardoso, veterano da fotografia portuguesa, que nasceu no distrito, perto de São Pedro do Sul, Alfredo Cunha e Mário Cruz, sendo que só o último vai expor.

John Gallo disse que o festival se dividirá por "espaços nobres" como o Solar do Vinho do Dão e o Museu Nacional de Grão Vasco e outros como, por exemplo, um dos pisos de estacionamento de um centro comercial, que acolherá uma exposição sobre ambiente.

O presidente da Câmara de Viseu, Almeida Henriques, considerou que este festival -- apoiado em 27 mil euros pelo município -- "afirma o potencial de uma cidade criativa".

AMF // MAG

Lusa/fim

+ notícias: País

Sindicato dos Motoristas admite recorrer à justiça para responsabilizar aqueles que violaram leis

O porta-voz do sindicato de motoristas de matérias perigosas, Pedro Pardal Henriques, admitiu este sábado recorrer à justiça para “responsabilizar todos aqueles que violaram as leis” na greve.

ASAE apreende 7.000 artigos em combate à contrafação no Facebook

A ASAE apreendeu em Castelo de Paiva e Coimbra mais de sete mil artigos desportivos contrafeitos, no valor de 62 mil euros, numa ação contra produtos contrafeitos vendidos através do Facebook e 'websites'.

Vários setores de atividade confessam que não aguentam mais dias de paralisação dos motoristas

A greve dos motoristas de matérias perigosas começou há quase uma semana mas os portugueses começaram a preparar-se muito antes. Também os vários setores de atividade revelaram estar bem preparados mas há quem diga que não aguenta mais dias de paralisação.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.