Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Custo da mão-de obra sobe 1,6% na zona euro e 1,2% em Portugal no 4.º trimestre de 2016

| Economia
Porto Canal com Lusa

Bruxelas, 20 mar (Lusa) - Os custos horários da mão-de-obra aumentaram no quarto trimestre de 2016, 1,6% na zona euro, 1,7% na União Europeia (UE) e 1,2% em Portugal, face ao mesmo período de 2015, segundo o Eurostat.

De acordo com o gabinete oficial de estatísticas da UE, a subida dos custos da mão-de-obra acelerou na zona euro e UE face ao terceiro trimestre de 2016 (1,4% e 1,8%), mas abrandou em Portugal (2,8% entre julho e setembro de 2016).

Na zona euro, os custos com salários subiram 1,6% e os não salariais 1,5%, enquanto na UE aumentaram 1,8% e 1,5%, respetivamente.

Em Portugal, ambos os componentes dos custos horários da mão-de-obra subiram 1,2% face ao trimestre homólogo.

Entre outubro e dezembro de 2016 - e na comparação homóloga - a Roménia (12,3%), a Lituânia (10,7%), a Letónia (8,1%) e a Bulgária (8,0%) registaram as maiores subidas no indicador, tendo as quebras sido observadas na Grécia (-0,5%) e na Áustria (-0,1%).

IG // MSF

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Protocolo com Iberdrola leva ao investimento de 50 milhões de euros em sete municípios transmontanos

Sete municípios transmontanos vão investir 50 milhões de euros em projetos sociais e culturais até ao final de 2017. O montante resulta do protocolo estabelecido com a espanhola Iberdrola, empresa que está a construir três barragens no Alto Tâmega. O projeto hidroelétrico, um dos maiores a nível europeu, está orçado em 1.500 milhões de euros.

Défice público 'derrapa' 300 milhões de euros com aumento dos reembolsos fiscais

O défice orçamental das administrações públicas, em contabilidade pública, subiu para 1.931 milhões de euros nos primeiros quatro meses do ano, piorando 314 milhões face ao mesmo período do ano passado, indicou hoje o Ministério das Finanças.

BES: Mais de 1.900 clientes lesados do papel comercial aceitaram solução

Lisboa, 26 mai (Lusa) -- Mais de 1.900 clientes que investiram em papel comercial vendido pelo BES, o equivalente a 97% do total, aceitaram aderir ao mecanismo que visa compensar parcialmente as perdas sofridas na queda do banco, segundo informação enviada à Lusa.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS