Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Taxas Euribor mantêm-se a 3, 6 e 12 meses e descem a 9 meses

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 20 mar (Lusa) -- As taxas Euribor mantiveram-se hoje a três, seis e 12 meses e desceram a nove meses em relação a sexta-feira.

A Euribor a três meses, em valores negativos desde 21 de abril de 2015, voltou hoje a ser fixada em -0,329%, acima do atual mínimo de sempre de -0,330% registado pela primeira vez em 22 de fevereiro.

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno negativo pela primeira vez em 06 de novembro de 2015, também foi hoje fixada de novo em -0,241%, inalterada face a quinta-feira e contra o atual mínimo de -0,244%, registado pela primeira vez em 26 de janeiro.

A 12 meses, a Euribor, que desceu para valores abaixo de zero pela primeira vez em 05 de fevereiro de 2015, também se manteve hoje ao ser fixada em -0,109%. A Euribor a 12 meses atingiu o atual mínimo de sempre, de -0,114%, pela primeira vez em 01 de março.

No prazo de nove meses, a Euribor desceu 0,001 pontos face a sexta-feira, ao ser fixada em -0,169%, contra -0,172%, atual mínimo histórico, registado pela primeira vez em 28 de fevereiro.

Depois de ter sido fixada em valores negativos entre 27 de novembro e 03 de dezembro de 2015, a Euribor a nove meses voltou para níveis abaixo de zero em 07 de janeiro de 2016, nos quais se tem mantido desde então.

As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.

MC // MSF

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Portugal é o país da zona euro que mais corta dívida pública até 2023

O FMI estima que Portugal consiga reduzir a dívida pública para perto de 105% do PIB até 2023, uma redução superior a 20 pontos percentuais e que é a mais forte da zona euro nos próximos seis anos.

Sindicato dos trabalhadores da função pública exige aumentos salariais

Os sindicatos dos trabalhadores da função pública exigem aumentos salariais. Dizem que as progressões nas carreiras não implicam um aumento real de vencimentos e destacam que os funcionários do Estado há mais de 20 anos que não vêm os salários atualizados de forma justa.

Ryanair assegura que disputa laboral não garante indemnização em voos cancelados

A transportadora aérea Ryanair garantiu esta quarta-feira que o cancelamento de voo devido a disputa laboral não prevê compensação ao abrigo da norma EU261, em resposta a uma informação da empresa AirHelp de há dois dias.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.