Info

APAVT quer usar prazo de 2 anos para transposição da directiva dos chamados 'pacotes turísticos'

| País
Porto Canal com Lusa

Albufeira, 03 dez (Lusa) - O presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo pediu hoje ao Governo e à confederação do setor um trabalho consensualizado para a transposição da diretiva dos 'pacotes turísticos' e o aproveitamento do prazo de dois anos para a sua aplicação.

Na abertura do 41.º congresso nacional da APAVT, que começou esta tarde em Albufeira, Pedro Costa Ferreira lembrou o intenso trabalho comum que deve ser realizado em torno da transposição para a legislação portuguesa da nova diretiva das viagens organizadas, os chamados 'pacotes turísticos'.

"Trata-se de uma legislação europeia que trará, sempre, mais responsabilidade e mais riscos para o negócio das agências de viagens e operadores turísticos nacionais. Agências de viagens e operadores turísticos que são, na sua esmagadora maioria, pequenas e micro empresas que recuperam ainda dos duros desafios da crise mundial e do período de ajustamento por que passámos", afirmou Pedro Costa Ferreira.

O responsável lembrou que, apesar de resilientes, as empresas do setor contam também "com muitas fragilidades financeiras, agravadas pelas conhecidas dificuldades de acesso ao crédito".

Assim, o presidente, dirigindo-se à nova secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, apelou para que se faça uma análise em conjunto das "questões principais relacionadas com esta norma" de forma a chegar-se "a um entendimento relativamente às respostas adequadas".

Por último, adiantou, é preciso,"uma vez as soluções se encontrem consensualizadas", que o mercado as conheça atempadamente e tenha tempo para a elas se adaptar".

E é por estas razões, que Pedro Costa Ferreira considera "muito importante que a transposição seja realizada apenas no final dos dois anos que a comunidade considerou adequados".

"Conceda-se esse tempo, não mais, mas conceda-se exatamente esse tempo, para que, por um lado, possamos tomar as opções com consciência e, por outro, não menos importante, para que os agentes económicos possam ser atempadamente informados e eles próprios preparem as mudanças necessárias", sublinhou.

O 41.º Congresso da APAVT decorre de hoje a 06 de dezembro em Albufeira, no Algarve, sob o tema: 'Partilhar o Futuro'.

A 11 de outubro, antes da sua aprovação, o Presstur noticiava que o Parlamento e o Conselho Europeu já tinham chegado a acordo para a revisão da Diretiva dos Pacotes Turísticos, que passa a considerar como pacote o chamado 'click through', diferenciando-o das reservas de mais de um produto numa mesma agência de viagens (o Assisted Travel Arrangements).

O 'click through' refere-se às situações em que um cliente começa por fazer uma reserva num portal 'online' e acrescenta outra reserva noutro 'site' para o qual foi redirecionado.

O comunicado do Parlamento Europeu, em que era anunciado o acordo, especificava que a inclusão do 'click through' na definição de pacotes turísticos se aplica quando serviços adicionais são comprados a fornecedores separados mas 'linkados' 'online' e que até 24 horas após a compra inicial partilham o nome, pormenores de pagamento e endereço de email do cliente.

A garantia que "os viajantes que 'formem' o seu próprio pacote de férias 'online' terão a mesma proteção dos que os comprem aos agentes de viagens tradicionais" é, aliás, o principal destaque do comunicado do Parlamento Europeu, no qual é avançado ainda que com as novas disposições os viajantes poderão cancelar a reserva se o preço aumentar mais de 8%, ainda segundo o Presstur.

Também consta das disposições acordadas que os organizadores de pacotes turísticos terão obrigatoriamente que ter "proteção" para falências, de forma a que os clientes possam ser "reembolsados integralmente e repatriados" nessa eventualidade.

Também está previsto que os organizadores dos pacotes têm que pagar pelo menos três noites no destino se o regresso na data prevista não for possível ainda que por acontecimentos "inevitáveis" e "imprevisíveis", acrescentando que a proposta do Parlamento Europeu era de cinco noites, mas que foi acordado que a "regra das três noites aplica-se a não ser que outra futura lei da União Europeia garante mais noites aos viajantes".

O comunicado refere ainda que organizadores e vendedores de pacotes estarão obrigados a deixar claro perante os clientes que estão a comprar um pacote e a informá-los dos seus direitos, e que na informação facultada ao cliente terá que constar o nome de pelo menos uma das partes responsável pela realização do pacote e um número de emergência.

Nas negociações, que entretanto foram aprovadas recentemente, o Parlamento acrescentou a exigência de ser facultada aos clientes informação sobre as horas aproximadas de regressos e uma "indicação do tipo de todos os possíveis custos extra", além de terem direito a cancelar a reserva ou a transferi-la para outra pessoa.

MSF // ATR

Lusa/Fim

+ notícias: País

Mais 677 infeções, cinco mortes e nova redução nos internamentos

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 677 casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2, cinco mortes atribuídas à covid-19 e nova redução nos internamentos em enfermaria e cuidados intensivos.

Estudo revela que dois em cada 10 idosos não desenvolvem anticorpos após a toma da vacina contra a Covid-19

Um estudo realizado durante um ano, por um grupo de investigadores do Instituto de Investigação do Medicamento, da Faculdade de Fármacia da Universidade de Lisboa, revelou que dois em cada 10 idosos não desenvolvem anticorpos após a toma da vacina contra a Covid-19.

Marta Temido: "Há quantidades para revacinar toda a população contra a Covid-19"

A Ministra da Saúde, Marta Temido, avisa que "há quantidades para revacinar toda a população contra a Covid-19" e alerta que "a máscara não é para deitar fora".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.