Faria de Oliveira deseja ação estratégica, lucidez e realismo de próximo executivo

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 18 nov (Lusa) - O presidente da Associação Portuguesa de Bancos disse hoje que todos os portugueses desejam que o Governo tenha capacidade de ação estratégica, muita lucidez e grande realismo, defendendo um clima de confiança junto dos cidadãos e mercados financeiros e políticos.

Faria de Oliveira foi a última das audições de hoje do Presidente da República e, numa declaração sem direito a perguntas, afirmou que "todos os portugueses desejarão que o próximo Governo que vier a ser constituído tenha capacidade de ação estratégica, muita lucidez e grande realismo".

"É fundamental desde logo criar um clima de confiança e de segurança junto dos cidadãos, junto dos mercados, quer se trate de mercados financeiros, quer de mercados políticos", defendeu.

Segundo o presidente da Associação Portuguesa de Bancos "o sistema bancário português estará naturalmente comprometido e empenhado fortemente em apoiar o progresso do nosso país e esta capacidade para financiar os projetos e as empresas de maneira a criar riqueza, independentemente da solução governativa que venha a ser adotada".

Decorreram hoje durante todo o dia, sete audiências separadas sobre a situação política criada após a demissão do XX Governo Constitucional com os presidentes dos principais bancos a operar em Portugal - Millenium BCP, Novo Banco, BPI, Santander Totta, Caixa Geral de Depósitos, Caixa Económica Montepio Geral - e com o presidente da Associação Portuguesa de Bancos.

Na quinta-feira, Cavaco Silva recebe um conjunto de economistas e, sexta-feira, ouve os representantes dos partidos com assento parlamentar.

JF // SMA

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Tribunal de Contas atento ao acolhimento das recomendações

O presidente do Tribunal de Contas, José Tavares, afirmou que o Tribunal “continuará ativo” em relação ao Novo Banco nomeadamente ao nível da aplicação das recomendações formuladas nas auditorias.

Inspeção-Geral de Finanças já deu parecer positivo a pagamento da 2.ª tranche

A Inspeção-Geral das Finanças deu parecer positivo ao pagamento da segunda tranche do Plano de Recuperação e Resiliência, no valor de cerca de dois mil milhões de euros, seguindo agora o pedido de Portugal para Bruxelas.

Euribor volta a subir para novos máximos a três, seis e 12 meses

As taxas Euribor voltaram esta terça-feira a subir a três, a seis e a 12 meses para novos máximos em mais de 10 anos.