PS acusa Governo de comprometer-se externamente sem ter consenso no próprio executivo

PS acusa Governo de comprometer-se externamente sem ter consenso no próprio executivo
| Política
Editor

O PS considerou hoje que o Governo assumiu compromissos externos sobre novas medidas de austeridade sem ter sequer consenso dentro do executivo, acusando Paulo Portas de ameaçar com moção de censura e de humilhar o primeiro-ministro.Estas posições foram transmitidas em conferência de imprensa pelo porta-voz do PS, João Assunção Ribeiro, em reação às declarações proferidas pelo presidente do CDS e ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, no domingo.

Para os socialistas, o que se tem passado no interior do Governo desde sexta-feira passada, quando o primeiro-ministro comunicou ao país novas medidas de austeridade no valor de 4,8 mil milhões de euros até 2016, "é muito grave".

"O dr. Paulo Portas desautorizou o primeiro-ministro e com uma ameaça pública. Desautorizou quanto à medida em concreto do imposto sobre reformados e pensionistas e quando considerou o Documento de Estratégia Orçamental (DEO) irrealista. Nos dois casos, estamos perante compromissos do Estado assumidos por escrito junto dos credores internacionais", declarou João Ribeiro.

De acordo com o porta-voz socialista, Portugal está em crise política "permanente" desde setembro de 2012 e o conjunto de posições que foi defendido no domingo por Paulo Portas constituiu "uma verdadeira ameaça de moção de censura, o que por si só comprova que o país tem um Governo dividido e sem credibilidade".

"Qual é a autoridade política do primeiro-ministro para apelar ao consenso depois do triste espetáculo? Para quem valoriza tanto no discurso a credibilidade externa, que credibilidade tem este Governo perante os nossos credores?", questionou o porta-voz do PS.

Na sua declaração, João Ribeiro também observou que o primeiro-ministro escreveu agora uma carta à 'troika' (Banco Central Europeu, Fundo Monetário Internacional e Comissão Europeia) a vincular o Estado Português a um conjunto de medidas aprovadas em Conselho de Ministros.

"O que aconteceu no domingo quer dizer que o Governo comprometeu externamente Portugal sem sequer ter consensualizado o compromisso dentro do Governo? A partir de hoje, quando o primeiro-ministro falar ao país, alguém o poderá levar a sério, ou teremos de esperar por uma segunda declaração de Paulo Portas? O primeiro-ministro fala por metade do Governo?", questionou ainda o porta-voz do PS.

Na perspetiva do dirigente dos socialistas, o que se passou em Portugal nas últimas 72 horas "não tem paralelo na nossa memória constitucional".

"Assistimos a um ministro de Estado [Paulo Portas] a humilhar publicamente o seu primeiro-ministro. Não há memória de tal episódio na História da democracia portuguesa. Estamos perante uma crise política muito grave e os portugueses não a merecem", acrescentou.

Interrogado se o PS, na atual conjuntura política, defende a realização de um Conselho de Estado, o porta-voz dos socialistas deu a seguinte resposta: "O PS não se substitui ao Presidente da República na avaliação política que faz sobre a necessidade ou não de ouvir o Conselho de Estado".

"Sobre essa matéria não cometeremos nem a indelicadeza nem a falta de sentido de Estado de fazer qualquer comentário sobre uma convocatória de um Conselho de Estado", disse João Ribeiro, numa crítica indireta ao ex-presidente do PSD Marques Mendes que, no sábado, na SIC, disse que Cavaco Silva iria em breve convocar uma reunião do Conselho de Estado.

+ notícias: Política

PSD: Montenegro eleito novo presidente com 73% dos votos

O social-democrata Luís Montenegro foi hoje eleito 19.º presidente do PSD com 73% dos votos, vencendo as eleições diretas a Jorge Moreira de Silva, que alcançou apenas 27%, segundo os resultados provisórios anunciados pelo partido.

Marcelo condecora emigrante criador de gado no Vale de São Joaquim

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, condecorou no domingo um emigrante português criador de gado e produtor de leite no Vale de São Joaquim, na Califórnia, região agrícola que nenhum dos seus antecessores tinha visitado.

Marcelo espera que obras no aeroporto arranquem antes do fim do seu mandato

O Presidente da República saudou este sábado a convergência entre Governo e PSD quanto ao método de decisão sobre a nova solução aeroportuária para a região de Lisboa, considerando que "é uma boa notícia".