“O meu trabalho é todo um bocadinho do Porto”. Desenhadora Ana Aragão distinguida com a medalha de mérito da cidade

“O meu trabalho é todo um bocadinho do Porto”. Desenhadora Ana Aragão distinguida com a medalha de mérito da cidade
Foto: Pedro Benjamim | Porto Canal
| Porto
Fábio Lopes

A arte corre-lhe nas veias desde tenra idade. Portuense de gema, Ana Aragão projeta a esferográfica cidades imaginárias como organismos vivos, com os olhos no real. Verdadeiras “anagrafias” urbanas, como as descreve, que representam um mar de narrativas e mapas mentais e emocionais, sempre com o ADN portuense como elemento diferenciador. A arquiteta reinventada como desenhadora dirige o seu próprio atelier no coração da Invicta desde 2012 e vai receber esta terça-feira a medalha de mérito da Câmara Municipal do Porto.

É no chão do seu atelier que faz a magia acontecer. Deitada horas a fio, Ana Aragão cria, a grande escala, mundos futuristas e ficcionais, através da ponta da sua caneta. Um portal entre diferentes realidades, numa simbiose perfeita entre o universo arquitectónico e a ilustração.

“Eu gosto muito de me chamar e de me intitular desenhadora, porque no fundo o que eu faço, tendo as suas raízes na arquitetura, é apenas o desenho de coisas que não existem”, frisa a artista.

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 

Uma publicação partilhada por Porto Canal (@porto.canal)

Arquitetura como ponto de partida

Um percurso profundamente marcado pela herança da formação académica, que norteia a sua obra. Formou-se em Arquitetura na FAUP, em 2009, contudo o seu trajeto não seria tão linear assim.

“Foi depois de eu testar a vida de arquiteta e ter percebido que se calhar não era a vida ideal para mim, que me foquei no desenho”. Ainda assim reconhece que o seu curto capítulo pela arquitetura lhe deu ferramentas para olhar o mundo e as cidades e o talento e a criatividade deram-lhe asas para que pudesse desenhar e soltar-se das cidades que existem e inventar mundos só dela.

Comecei a trabalhar na sala de condomínio de casa da minha mãe, já adulta, mas foi uma coisa muito amadora que depois se tornou uma profissão e um percurso”, aponta.

Real e ilusão de mãos dadas

Foi aqui o ponto de partida da sua viagem em volta de arquiteturas imaginárias, através do papel. Cidades que flutuam e crescem numa verticalidade sem fim, desafiando a gravidade.

“Trago comigo das viagens que faço uma série de imagens, sobretudo das coisas menos polidas, da cidade mais crua, mais dura, o lado mais urbano da cidade”, sublinha. Ainda assim, recusa o rótulo de “repórter visual”, uma vez que a sua relação com a veracidade não é total, esfumando-se rumo à ilusão que impregna nos seus trabalhos.

“Quando viajo ou passeio, acabo por trazer essas informações todas contidas numa máquina de memória que faz alguma espécie de centrifugação e depois distribui tudo quando eu estou no momento de desenhar”, vinca a artista.

Porto Canal

Em cada rabisco, uma narrativa

Rabiscos que parecem ter vida própria, mas nos quais são invocadas memórias, narrativas, labirintos pessoais e sociais, que mais do que contar histórias de edifícios, pretendem refletir histórias dos seus habitantes e a própria dinâmica e o pulsar das cidades por onde passa.

“Foi algo que me ficou da FAUP, do curso de Arquitetura e desta tradição portuense da relação da obra com o sítio, e ainda trago e transporto isso para o meu trabalho”, defende.

Ana Aragão defende que os espaços habitados com a imaginação podem ser tão poderosos como os físicos.

“Há quem diga que a arquitetura são os espaços construídos no espaço nos quais nós habitamos, nós enquanto corpo sensorial, mas também há uma componente de ilusão nas nossas vivências”.

A artista acrescenta que “há um lado que não é mensurável, que também importa trazer para cima da mesa, para a discussão”, defende.

Assim, a arte é um escape, uma janela aberta a outros mundos, lugares, espaços e tempos. É sobre esta premissa que assenta o trabalho de Ana Aragão.

“Há uma matemática, um xadrez, uma mecânica” no desenho

A obsessão do pormenor percorre toda a sua obra. A cada traço, um olhar meticuloso, um rabisco feito a caneta, que não permite anular ou voltar atrás, obrigando a saber lidar com o erro.

“É um trabalho de muito critério, de muita delicadeza também, mas ao mesmo tempo de risco enorme, porque a partir do momento em que eu faço aquele risco, eu já não posso voltar atrás”.

“Estou sempre numa bifurcação e escolho sempre a linha seguinte e a partir da linha seguinte estou novamente numa bifurcação e escolho a linha seguinte. Portanto é um conjunto de decisões. Há uma matemática, há um xadrez, uma mecânica, aquilo que lhe queiramos chamar, no desenho, que é fascinante e que me apaixona”, acrescenta.

Porto Canal

Porto, a ‘musa’ de Ana Aragão

Natural do Porto, Ana Aragão é uma confessa apaixonada pela Invicta, cidade que marca e influencia todo o seu trabalho.

“O Porto é a cidade onde eu nasci, cresci, vivi a minha vida praticamente toda aqui no Porto, por isso o meu trabalho é todo um bocadinho do Porto, é incontornável”, sublinha.

A desenhadora vinca a diversidade identitária que inunda a cidade à beira rio plantada e que lhe serve de inspiração.

“Todos os bairros têm uma identidade própria, todas as zonas têm coisas a acontecer que são completamente diferentes, é tão diversificada e dinâmica, aponta.
“Se eu quiser ficar a vida toda aqui no Porto consigo encontrar coisas novas todos os dias e podia viver mil anos que não era possível cansar-me, nem esgotar”, frisa a artista.

Ana Aragão recorda Italo Calvino e defende o desenho da sua cidade com linhas sinuosas, realçando as paisagens estonteantes da cidade que a viu nascer.

“Há muitas formas de pensar em desenhar o Porto. No outro dia ouvi uma expressão muito bonita que dizia que o “Porto não precisa de skyline”, porque já tem um natural skyline lindíssimo e muito poético. É um pouco clichê, mas na minha cabeça tem o Porto uma linha que divide aquilo que é construído do céu extraordinária”, sustenta a artista.

Reconhecida como uma das mais importantes ilustradoras e desenhadoras portuguesas, é com “orgulho” que Ana Aragão recorda o trajeto traçado até aqui.

“É um trabalho muito solitário e é um universo com as suas especificidades. O meu pensamento é sempre: o próximo projeto tem de ser melhor do que o anterior”, assegura a artista.

Porto Canal

Um caminho consistente, mas custoso até ao estrelato, nacional e além-fronteiras, que lhe vale agora a atribuição da medalha de honra da cidade do Porto.
“Quando fui o ano passado expor no Japão e mesmo quando expus em Macau há uns anos, levo sempre um vídeo de apresentação, E levo sempre imagens do Porto associadas, porque estamos no coração da cidade, é daqui que parte tudo. Se eu não levasse o Porto, eu não me levava a mim também”, remata.

Alguns dos seus projetos mais recentes incluem a participação na Representação Portuguesa na edição 2014 da Bienal de Veneza, a sua seleção pelo Arquivo de Luerzer como um dos “200 Melhores Ilustradores do Mundo” (2014), estando ainda representada nas coleções do Centro Cultural de Belém, da Fundação Oriente Macau e da Fundação do Oriente Portugal.

Um talento portuense que continuará a levar o encanto da Invicta além-fronteiras.

+ notícias: Porto

“Um verdadeiro rali”. Boavista é palco de corridas ilegais em plena luz do dia

A proximidade ao centro da cidade, a densificada rede de transportes e a diversidade de serviços fazem da Boavista uma das zonas mais cobiçadas do Porto. E é nas ruas adjacentes à Avenida da França que nas últimas semanas têm decorrido corridas de alta velocidade que, de acordo com os relatos dos moradores, são organizadas por pessoas em situação de sem abrigo que pernoitam nas imediações.

Concelhia do PSD do Porto vai a votos no sábado

A Comissão Política Concelhia do PSD do Porto vai a votos no sábado com o deputado Alberto Machado, que se recandidata à liderança, e Francisco Carvalho, líder de bancada do PSD na Assembleia de Freguesia de Ramalde.

Proteção de dados “trava” aquisição de mais 117 câmaras de videovigilância no Porto

A Câmara Municipal do Porto ainda não conseguiu adquirir as 117 novas câmaras de videovigilância para as quais lançou um concurso público há cerca de um ano. Em causa está a falta de um parecer da Comissão Nacional da Proteção de Dados (CNPD), o que tem impedido o Tribunal de Contas de dar ‘luz verde’ ao município.