Após sucessivos atrasos, Feiródromo de Campanhã deverá estar pronto em junho de 2025

Após sucessivos atrasos, Feiródromo de Campanhã deverá estar pronto em junho de 2025
| Porto
Ana Francisca Gomes

A Câmara do Porto espera que o Feiródromo de Campanhã esteja pronto em junho de 2025. Tal como avançou o Porto Canal em fevereiro, as obras que deveriam ter arrancado até ao final de 2023 atrasaram. O concurso público para a construção da estrutura acabou por ser lançado apenas há quatro meses, mas só recebeu propostas pelo dobro do preço estipulado.

“Temos o reinício do processo de lançamento do concurso do Feiródromo e, portanto, prevemos iniciar a obra (se tudo correr bem) até dezembro deste ano e finalizá-la em junho de 2025”, avançou o vereador Ricardo Valente na reunião de executivo da manhã desta quarta-feira.

O novo Feiródromo de Campanhã, anunciado para “abril de 2024”, viu o concurso público ser lançado apenas no final do mês de fevereiro de 2024. Há mais de um ano, a 27 de fevereiro de 2023, o vereador que detém o pelouro das Atividades Económicas e Fiscalização avançava que a empreitada deveria arrancar no final de 2023 e ter a duração de quatro meses. Mas em fevereiro deste ano, o terreno baldio escolhido pela autarquia encontrava-se repleto de ervas daninhas, sem obras e sem possibilidade de receber feirantes em abril.

Em relação aos atrasos, a autarquia liderada por Rui Moreira escudava-se num pedido de revisão do projeto por parte do Tribunal de Contas, que obrigou à revisão dos prazos iniciais.

Apesar do concurso ter sido lançado no final de fevereiro, foi preciso alterar o projeto e relançar o concurso, esclareceu esta quarta-feira Ricardo Valente, questionado pelo vereador bloquista Sérgio Aires. Todas as propostas apresentadas ao concurso superaram o preço-base da empreitada e mesmo a candidatura mais baixa correspondia a quase o dobro do valor base da obra.

Naquele espaço, junto à estação de metro Nasoni, vão nascer 152 bancas para feirantes, “com dimensões de 3x2 metros e 25 lugares de 4x3 metros, todos devidamente sombreados”, anunciava à data a Câmara do Porto. Além das bancas estão ainda “previstas instalações sanitárias, iluminação pública, vedação e infraestruturas necessárias ao bom funcionamento do equipamento, nomeadamente eletricidade, abastecimento de água e drenagem de águas residuais e pluviais. Também estão contempladas as infraestruturas de resíduos sólidos urbanos, assim como a requalificação do espaço público.”

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 

Uma publicação partilhada por Porto Canal (@porto.canal)

+ notícias: Porto

“Um verdadeiro rali”. Boavista é palco de corridas ilegais em plena luz do dia

A proximidade ao centro da cidade, a densificada rede de transportes e a diversidade de serviços fazem da Boavista uma das zonas mais cobiçadas do Porto. E é nas ruas adjacentes à Avenida da França que nas últimas semanas têm decorrido corridas de alta velocidade que, de acordo com os relatos dos moradores, são organizadas por pessoas em situação de sem abrigo que pernoitam nas imediações.

Concelhia do PSD do Porto vai a votos no sábado

A Comissão Política Concelhia do PSD do Porto vai a votos no sábado com o deputado Alberto Machado, que se recandidata à liderança, e Francisco Carvalho, líder de bancada do PSD na Assembleia de Freguesia de Ramalde.

Proteção de dados “trava” aquisição de mais 117 câmaras de videovigilância no Porto

A Câmara Municipal do Porto ainda não conseguiu adquirir as 117 novas câmaras de videovigilância para as quais lançou um concurso público há cerca de um ano. Em causa está a falta de um parecer da Comissão Nacional da Proteção de Dados (CNPD), o que tem impedido o Tribunal de Contas de dar ‘luz verde’ ao município.