Governo volta a reunir-se com estruturas da PSP e GNR descontentes com proposta

Governo volta a reunir-se com estruturas da PSP e GNR descontentes com proposta
| País
Porto Canal / Agências

A ministra da Administração Interna volta esta quinta-feira a reunir-se com os sindicatos da PSP e associações da GNR por causa do suplemento de missão, depois de há uma semana ter apresentado uma nova proposta que desagradou aos polícias.

Trata-se da terceira reunião negocial entre Margarida Blasco e os seis sindicatos da Polícia de Segurança Pública e as cinco associações da Guarda Nacional Republicana, que já anunciaram abandonar as negociações e voltar aos protestos caso o Governo não apresente uma proposta que vá ao encontro das expectativas dos polícias.

Na semana passada, o Ministério da Administração Interna propôs um novo suplemento de missão entre os 521 e os 730 euros e o fim do atual suplemento por serviço e risco nas forças de segurança, tendo apresentado uma cláusula de garantia mínima no valor de 150 euros para os postos onde a percentagem não garantia um aumento de vencimento.

Segundo a nova proposta, a que Lusa teve acesso, o novo suplemento de missão tem como referência o vencimento base do diretor nacional da PSP e comandante-geral da GNR e substitui o atual suplemento por serviço e risco nas forças de segurança, que inclui uma componente fixa de 100 euros e uma variável de 20% do salário base.

Com esta nova proposta, os oficiais passariam a ter um suplemento de missão de 14% da remuneração base do comandante da GNR e diretor nacional da PSP, que é de 5.216,23 euros, enquanto a percentagem para os sargentos da GNR e chefes da PSP é de 12% e para os guardas e agentes é de 10%.

Os sindicatos da PSP e associações da GNR não aceitam esta proposta, que a consideraram “ridícula” e que cria “situações ilegais e até no limite inconstitucionais”, uma vez que a garantia mínima de 150 euros de aumento vão perder-se nas promoções futuras.

A plataforma dos sindicatos da PSP e associações da GNR propõe que os atuais 100 euros pagos aos polícias no suplemento por serviço e risco nas forças de segurança sejam substituídos por uma componente fixa de 712,96 euros, o que se traduziria num aumento efetivo de cerca de 600 euros, além da manutenção da componente variável do suplemento, que corresponde a 20% do salário.

O presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP), Paulo Santos, disse à Lusa que hoje vão ouvir a ministra, mas alertou que os polícias “não aceitam qualquer proposta”, exigindo que o Governo altere os valores do suplemento e o modelo de aplicação.

Paulo Santos afirmou ainda que a reunião de hoje vai ditar se os sindicatos vão “continuar as negociações ou vão para a luta”.

+ notícias: País

Preço dos combustíveis vão registar maior subida desde abril

Depois de um mês de maio em que os preços dos combustíveis, de um modo geral, estiveram em queda, a próxima segunda-feira vai trazer um aumento tanto no custo da gasolina como do gasóleo.

Aeroportos nacionais com mais passageiros. Porto cresce acima da média

Os aeroportos nacionais movimentaram 19,6 milhões de passageiros nos primeiros quatro meses do ano, mais 4,8% face aos mesmos meses de 2023, divulgou esta sexta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE).

FC Porto vai ter jogo difícil frente a Belenenses moralizado afirma Paulo Fonseca

O treinador do FC Porto, Paulo Fonseca, disse hoje que espera um jogo difícil em casa do Belenenses, para a 9.ª jornada da Liga de futebol, dado que clube "vem de uma série de resultados positivos".