Protesto na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto estende-se até sábado

Protesto na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto estende-se até sábado
Pedro Benjamim | Porto Canal
| Porto
Porto Canal / Agências

Os cerca de 35 estudantes acampados à porta do departamento de Ciência de Computadores da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (UP) vão manter-se, pelo menos até sábado, no local, revelou esta sexta-feira à Lusa, Carolina Moreira, da organização.

Num protesto que teve o primeiro momento há uma semana quando reclamaram diante da reitoria da UP o corte de relações entre a academia e o Estado de Israel, os estudantes concentrados na quarta-feira na Faculdade de Belas Artes decidiram voltar ao protesto agora na Faculdade de Ciências, concentrando cerca de 35 deles em tendas no exterior do edifício.

Depois de terem saído da conversa com o reitor com a informação de que a UP não tinha relações com o Estado de Israel, novas informações fizeram os estudantes retomar o protesto, segundo Carolina Moreira.

“Uma assembleia na Faculdades de Belas Letras e contactos com professores passaram a mensagem de que a UP tem capacidade para cortar as ligações com instituições israelitas”, começou por explicar à Lusa a estudante da Faculdade de Letras, que não precisou nem quem foram os professores nem as informações recebidas.

E prosseguiu: “feita a pesquisa complementar e reunida mais informação percebeu-se que o Instituto de Ciência Molecular e Celular trabalha quer com a Faculdade de Engenharia quer com a Faculdade de Ciências, optando-se então por ocupar esta segunda faculdade”.

Numa assembleia ocorrida durante a tarde desta sexta-feira decidiram prosseguir com a ocupação, apesar da precariedade, pelo menos até sábado de manhã, altura em que voltarão a reunir, num cenário em que a precariedade em que se encontram poderá pesar na situação, disse.

Acampados desde as 19h00 de quinta-feira à porta do departamento de Ciência de Computadores da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, puderam utilizar as casas de banho a partir desta sexta-feira de manhã bem como as áreas de estudo uma vez que entre os manifestantes existem estudantes daquela faculdade, relatou Carolina Moreira.

O conflito em curso na Faixa de Gaza foi desencadeado pelo ataque do grupo islamita Hamas em solo israelita de 7 de outubro de 2023, que causou cerca de 1.200 mortos e duas centenas de reféns, segundo as autoridades israelitas.

Em resposta, Israel lançou uma ofensiva militar em grande escala na Faixa de Gaza, que já provocou acima de 35 mil mortes, na maioria civis, de acordo com as autoridades locais controladas pelo Hamas, e deixou o enclave numa situação de grave crise humanitária.

+ notícias: Porto

Nova atualização no número de feridos no derrame de ácido no Porto

O derrame de um químico num laboratório do Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge, no Porto, causou esta sexta-feira um ferido grave e quatro ligeiros, confirmou ao Porto Canal fonte do Comando Sub-Regional de Emergência e Proteção Civil da Área Metropolitana do Porto.

Parte do edifício do Instituto Ricardo Jorge evacuado após derrame de ácido nítrico

O derrame de “um recipiente com ácido nítrico” no quinto piso do Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge, no Porto, que causou esta sexta-feira um ferido grave e quatro ligeiros, obrigou à evacuação de parte do edifício.

Feirantes vão continuar a vender na Ribeira, garante Câmara do Porto e APDL

Os presidentes da Câmara do Porto e da Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL) garantiram que os vendedores vão continuar na Ribeira do Porto, depois de um desentendimento entre estas duas entidades.