Governo apresenta plano de emergência para a saúde dentro de duas semanas

Governo apresenta plano de emergência para a saúde dentro de duas semanas
Lusa
| País
Porto Canal/ Agências

O primeiro-ministro afirmou esta quarta-feira que dentro de duas semanas irá apresentar o programa de emergência para a saúde, com especial foco na recuperação de cirurgias, na obstetrícia e nas respostas no âmbito da medicina familiar.

Luís Montenegro anunciou este calendário no debate quinzenal, na Assembleia da República, em resposta ao presidente do Chega, André Ventura, que antes acusara o líder do executivo de “muita conversa” e nenhuma medida para o setor da saúde.

O primeiro-ministro respondeu então que o líder do Chega “só vai ter de esperar duas semanas” para conhecer o plano de emergência que será apresentado pelo Governo.

“No máximo, dentro de duas semanas, o país vai conhecer o programa de emergência que temos para a saúde. Vai ter incidências na recuperação dos tempos de espera para cirurgias, em particular as mais problemáticas – por exemplo, as oncológicas. Vai ter foco especial na obstetrícia e um plano de resposta de medicina familiar para cerca de 1,5 milhões de portugueses sem médico de família”, especificou.

Luís Montenegro, no entanto, advertiu que o programa será de emergência e “não a transformação estrutural que o Governo tenciona fazer na saúde” até ao final da legislatura, libertando-a de complexos de ordem ideológica.

Na reação às críticas do líder do Chega a uma alegada paralisia na saúde, o primeiro-ministro também comentou, usando a ironia, que “só quem confia muito no Governo pode esperar que em 30 dias apresentasse um programa de emergência transversal – um programa que não foi levado a cabo em 3050 dias” pelo anterior executivo socialista.

“O senhor deputado André Ventura está mais uma vez mais socialista do que os socialistas. Tem para com o Governo uma atitude muito difícil de compreender”, acrescentou.

+ notícias: País

49 pessoas morreram afogadas em Portugal continental até ao final de abril

Quarenta e nove pessoas morreram afogadas em Portugal continental nos quatro primeiros meses do ano, o valor mais alto desde 2017, segundo dados do relatório do Observatório do Afogamento da Federação Portuguesa de Nadadores Salvadores (FEPONS).

Nova atualização nos preços dos combustíveis na próxima semana

Depois de várias semanas consecutivas de descida, o preço dos combustíveis estagnou e não deverá subir, nem descer, a partir da próxima segunda-feira.

Há 111 medicamentos genéricos cuja venda em Portugal terá de ser suspensa

Portugal vai ter de suspender a venda e cancelar autorizações de 111 medicamentos genéricos testados pelo laboratório Synapse Labs, na Índia, após uma recomendação hoje feita nesse sentido pela Comissão Europeia aos Estados-membros da União Europeia (UE).