Um terço dos portugueses elegem 25 de Abril como a data mais importante do país

Um terço dos portugueses elegem 25 de Abril como a data mais importante do país
| País
Porto Canal / Agências

Em 2004 foi também esta a escolha de 52% dos inquiridos e de 59% da amostra no inquérito de 2014, face a outras datas propostas, como a adesão de Portugal à Comunidade Económica Europeia (CEE), em 1985, a implantação da República (1910), a restauração da independência em 1640, a Batalha de Aljubarrota (1385) e a chegada de Vasco da Gama à Índia (1498).

No estudo "Os Portugueses e o 25 de Abril", foram as mulheres os inquiridos com mais de 44 anos e os que vivem com maiores dificuldades que revelaram maior propensão para escolher esta data como a mais importante.

"Os inquiridos que afirmaram simpatizar com o PS tendem a selecionar o 25 de Abril de 1974 mais frequentemente do que os que disseram simpatizar com o PSD ou com o Chega", lê-se no documento que contém os resultados do estudo, desenvolvido por uma equipa do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e do ISCTE -- Instituto Universitário de Lisboa, coordenada por Pedro Magalhães, em parceria com a Comissão Comemorativa dos 50 Anos do 25 de Abril.

As mudanças na sociedade portuguesa são assinaladas pela maioria dos inquiridos, com apenas um por cento a considerar que "nada mudou".

+ notícias: País

FNE e Governo chegam a acordo para recuperação do tempo de serviço

A Federação Nacional da Educação (FNE) e o Governo alcançaram hoje um acordo para a recuperação do tempo de serviço congelado durante a ‘Troika’, que será devolvido ao longo de quatro anos.

FC Porto vai ter jogo difícil frente a Belenenses moralizado afirma Paulo Fonseca

O treinador do FC Porto, Paulo Fonseca, disse hoje que espera um jogo difícil em casa do Belenenses, para a 9.ª jornada da Liga de futebol, dado que clube "vem de uma série de resultados positivos".

Proteção Civil desconhece outras vítimas fora da lista das 64 de acordo com os critérios definidos para registar os mortos dos incêndios na região centro

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) disse hoje desconhecer a existência de qualquer vítima, além das 64 confirmadas pelas autoridades, que encaixe nos critérios definidos para registar os mortos dos incêndios na região centro.