Ministério da Saúde convoca médicos para iniciarem negociações

Ministério da Saúde convoca médicos para iniciarem negociações
| País
Porto Canal/Agências

O Ministério da Saúde convocou os sindicatos médicos para a primeira reunião negocial no dia 26 de abril de manhã, anunciaram esta sexta-feira as estruturas sindicais.

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) adiantou em comunicado que a reunião foi marcada para a próxima sexta-feira às 11h00.

Contactado pela agência Lusa, o secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos (SIM), Nuno Rodrigues, adiantou que o sindicato foi convocado para o mesmo dia, mas a reunião está marcada para as 10h00.

A ministra da Saúde, Ana Paula Martins, adiantou na quinta-feira que já tinha contactado os sindicatos médicos e dos enfermeiros para iniciarem negociações.

Ressalvando que não iria fazer nenhum comentário sobre os cadernos de encargos dos sindicatos, a governante disse apenas que vai conversar e ouvir as estruturas sindicados e perceber os seus argumentos.

“O diálogo é feito nas duas vias, portanto, é muito importante ouvir os sindicatos, perceber que nos trazem com certeza informações do terreno daquilo que vivem os profissionais e é para isso que aqui estamos, para integrar aquilo que são as suas sugestões”, rematou.

+ notícias: País

FNE e Governo chegam a acordo para recuperação do tempo de serviço

A Federação Nacional da Educação (FNE) e o Governo alcançaram hoje um acordo para a recuperação do tempo de serviço congelado durante a ‘Troika’, que será devolvido ao longo de quatro anos.

FC Porto vai ter jogo difícil frente a Belenenses moralizado afirma Paulo Fonseca

O treinador do FC Porto, Paulo Fonseca, disse hoje que espera um jogo difícil em casa do Belenenses, para a 9.ª jornada da Liga de futebol, dado que clube "vem de uma série de resultados positivos".

Proteção Civil desconhece outras vítimas fora da lista das 64 de acordo com os critérios definidos para registar os mortos dos incêndios na região centro

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) disse hoje desconhecer a existência de qualquer vítima, além das 64 confirmadas pelas autoridades, que encaixe nos critérios definidos para registar os mortos dos incêndios na região centro.