Preço dos combustíveis inverte tendência das últimas seis semanas

Preço dos combustíveis inverte tendência das últimas seis semanas
| País
Porto Canal

A próxima semana será de boas notícias para os automobilistas. Depois de seis semanas de subidas no preço dos combustíveis, o gasóleo e a gasolina vão descer já na segunda-feira.

Tendo em conta as previsões divulgadas pela Automóvel Club de Portugal (ACP), as previsões apontam para uma descida de 3 cêntimos por litro no caso do gasóleo e de 1,5 cêntimos por litro no caso da gasolina.

Se estas previsões forem confirmadas, o preço médio do gasóleo simples deverá então fixar-se nos 1,674 €/litro enquanto o da gasolina simples 95 deverá andar pelos 1,742 €/litro.

 

O mais recente boletim sobre combustíveis da Comissão Europeia revela que Portugal tem a 8ª gasolina 95 mais cara da Europa, cerca de 1,4 cêntimos abaixo da média europeia e 13,4 cêntimos mais cara do que em Espanha. Já o gasóleo ocupa a 14ª posição do ranking europeu.

De realçar que os preços dos combustíveis podem sofrer alterações tendo em conta a cotação do brent. Recorde-se que os preços podem ainda sofrer variações de acordo com cada posto de abastecimento, sendo o valor final decorrente da média de valores praticados por todas as gasolineiras.

+ notícias: País

Eis a chave do EuroDreams desta quinta-feira

A chave vencedora do prémio EuroDreams desta quinta-feira é composta pelos números 4 - 13 - 16 - 18 - 28 - 30 e pelo Número de Sonho 2.

Incêndios. Governo apela à limpeza dos terrenos rurais

A ministra da Administração Interna, Margarida Blasco, apelou esta quinta-feira a todos os portugueses proprietários de terrenos rurais para que procedam à sua limpeza, destacando que este ato é fundamental para a prevenção dos incêndios florestais.

Ministro da Educação disponível para devolver 20% por ano aos professores

O ministro da Educação mostrou-se, esta quinta-feira, disponível para negociar a recuperação do tempo de serviço, explicando que a proposta do Governo prevê começar a devolução este ano e os restantes 80% nos próximos quatro anos da legislatura.