"Centeno preenche os requisitos importantes", afirma António Costa 

"Centeno preenche os requisitos importantes", afirma António Costa 
Lusa
| Política
Porto Canal

O primeiro-ministro, demissionário, António Costa, fez uma comunicação ao país a partir da residência oficial em São Bento, na noite deste sábado.

Numa das perguntas dos jornalistas, Costa foi questionado pela escolha de Mário Centeno, atual Governador do Banco de Portugal, para primeiro-ministro. 

"A minha preocupação era habilitar o Presidente da República com uma alternativa a colocar o país a três anos do fim de uma legislatura a dissolver um Parlamento e a irmos para um processo eleitoral”, justifica, destacando que tentou encontrar “alternativas à dissolução da Assembleia da República”.

O Chefe do Governo, demissionário, explica que a escolhe de Centeno deveu-se ao facto do mesmo ter "sólida experiência governativa", mas também "reconhecimento e credibilidade internacional". 

“Quando apresentei a proposta conhecia que Mário Centeno só daria resposta definitiva depois de falar com PR, conhecer as condições de governabilidade e depois de saber se comissão política do PS corresponderia à proposta”, ressalva, revelando que “nunca houve uma resposta definitiva por parte de Mário Centeno”.

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 

Uma publicação partilhada por Porto Canal (@porto.canal)

+ notícias: Política

Mortágua critica discurso de Costa. "Maioria absoluta acabou e PS não se deu conta"

A coordenadora do BE, Mariana Mortágua, concluiu este sábado, após ouvir o discurso de António Costa, que “a maioria absoluta acabou e o PS não se deu conta”, pedindo aos socialistas menos arrogância e soberba e mais soluções e humildade.

"Padre estagiário" e "comentador de futebol de extrema-direita". Financial Times analisa crescimento do Chega em Portugal

O jornal britânico Financial Times publicou, esta sexta-feira, um artigo sobre o líder do Chega, André Ventura, intitulando-o de “padre estagiário” e “ex-comentador de futebol de extrema direita”.

AD garante que tempo e mérito vão contar para progressão de carreira dos professores

O presidente do PSD assegurou este domingo a um professor e dirigente sindical que, com a Aliança Democrática (AD), tanto o tempo como o mérito contarão para a progressão na carreira, e garantiu que "isso é indiscutível".