Bastonário quer bom senso do Governo para resolver falta de médicos nos hospitais

| País
Porto Canal/Agências

O bastonário da Ordem dos Médicos (OM) apelou esta terça-feira ao bom senso do Governo para resolver a crise de falta de médicos em hospitais como o de Santarém, onde estima que a situação vá agravar-se em novembro.

“Não há alternativa a que o Governo tome consciência deste problema, tenha sensibilidade para perceber exatamente o que está a acontecer, as dificuldades do Serviço Nacional de Saúde (SNS)”, afirmou Carlos Cortes no final de uma reunião com médicos do hospital de Santarém, na qual tomou conhecimento de "um conjunto de dificuldades” que irá transmitir na quarta-feira ao ministro da Saúde, Manuel Pizarro.

À margem da reunião Carlos Cortes afirmou que irá apresentar a Manuel Pizarro “propostas”, que não quis revelar, defendendo que terá que haver por parte do Governo “bom senso para aplicar as decisões que se esperam para o SNS” e que “fundamentalmente tem a ver com recursos humanos”.

No Hospital Distrital de Santarém (HDS) desde segunda-feira que estão suspensas as cirurgias adicionais por parte de vários médicos da especialidade que recusam fazer mais do que as 150 horas extraordinárias previstas por lei.

Depois de ouvir dos clínicos as “dificuldades [existentes] na esmagadora maioria das especialidades”, e sobretudo “nas escalas de Medicina Interna e de Cirurgia”, Carlos Cortes, manifestou preocupação de que a situação venha a agravar-se no próximo mês de novembro.

“Vão existir dificuldades na escala de pediatria e de ginecologia e obstetrícia, porque obviamente os médicos não aguentam esta pressão, não aguentam horários de trabalho absolutamente incomportáveis, em que muitos colegas já fizeram 600, 800 horas extraordinárias”.

Vincando que “a situação no Hospital de Santarém é muito difícil”, o bastonário da OM adiantou que na quarta-feira irá transmitir ao ministro da Saúde a preocupação com a lista de espera cirúrgica desta unidade, “que tem uma média de mais de 400 dias, em que os doentes mais antigos estão à espera de cirurgias há mais de dois anos, e, inexplicavelmente está a ser diminuído o trabalho adicional dessas cirurgias”.

Lamentando o “impacto negativo sobre as pessoas” e o “desrespeito completo pelos doentes” o bastonário criticou a postura do Conselho de Administração do HDS que considerou “inadmissível”.

Além da situação do HDS Carlos Cortes, pretende fazer na quarta-feira, Manuel Pizarro, “um ponto de situação sobre as dificuldades de outros hospitais do país e alertar o ministério para a necessidade de atrair mais médicos para o SNS, dar-lhe melhores condições de trabalho e valorizar a carreira dos médicos”.

Alegando haver neste hospital “muitos exemplos de equipas de urgência que trabalham abaixo dos limites de segurança” Carlos Cortes sublinhou que quer neste quer em outros hospitais do país “é preciso uma intervenção de fundo” no SNS e que a “verdadeira prioridade” será o Governo “perceber que o maior valor do SNS são os seus profissionais”.

+ notícias: País

Mais de 80% dos jovens diplomados têm emprego 3 anos após concluírem estudos

Cerca de 82% dos diplomados entre os 20 e 34 anos têm emprego três anos após concluírem o ensino secundário ou superior, segundo um relatório divulgado esta terça-feira que confirma as vantagens salariais associadas à maior formação académica.

Registados problemas em cartões da rede móvel da MEO

Alguns cartões de clientes da rede móvel da MEO estão a registar na manhã desta terça-feira alguns constrangimentos, disse à agência Lusa fonte da operadora de comunicações de voz do grupo Altice, sem adiantar mais pormenores.

Portugal lidera na Europa... no aumento do preço do azeite

O preço do azeite subiu em janeiro 69% em Portugal, registando o maior aumento homólogo do produto, que na média da União Europeia (UE) aumentou 50%, segundo dados divulgados esta terça-feira pelo Eurostat.