Prémio Fernando Távora para arquitectos Maria Rita Pais e Luís Santiago Baptista

Prémio Fernando Távora para arquitectos Maria Rita Pais e Luís Santiago Baptista
| País
Porto Canal/Agências

O projeto "Na Linha da Frente", dos arquitetos Maria Rita Pais e Luís Santiago Baptista, é o vencedor do Prémio Fernando Távora 2023, anunciou hoje a Secção Regional Norte da Ordem dos Arquitetos (OASRN), que atribui o galardão.

"O júri foi unânime ao distinguir a proposta 'Na Linha da Frente'", projeto de viagem de investigação, na área da arquitetura, dedicada ao 'bunker' nas linhas de defesa da Europa Central, como se lê no comunicado da OASRN.

Os vencedores recebem uma bolsa de seis mil euros, que permitirá a concretização do projeto.

"Na Linha da Frente" propõe um percurso pela Europa Central, em automóvel e a pé, revistando, "no desassossegado momento presente", as "estruturas mais belas e problemáticas da II Guerra Mundial", lê-se na proposta vencedora.

"Os 'bunkers' são fortificações militares defensivas, concebidas como pontos estratégicos de localização de material militar, proteção de pessoas e reserva de mantimentos. No entanto, são igualmente concebidos para possibilitar o ataque bélico. Por questões táticas, são habitualmente subterrâneas, ativando as tecnologias de construção mais resistentes e eficazes", prossegue a descrição da proposta.

Os dois arquitetos lembram ainda que o 'bunker' faz parte da terceira fase da história da evolução da arquitetura militar, caracterizada pela "construção de pequenas estruturas super fortificadas, disseminadas e invisíveis no território", por oposição à "antiga muralha e ao forte abaluartado", visíveis e identificáveis. O 'bunker', pelo contrário, "oculta-se na paisagem, fundindo-se com ela."

A decisão do júri reconhece em “Na Linha da Frente" “uma proposta consistente, com um plano de viagem extremamente bem estruturado e pormenorizado [...]. O projeto apropria-se e reformula o próprio conceito de viagem, através da forma como os candidatos pensaram a relação com o território e a especificidade na aproximação a cada um dos lugares.”

Um dos fatores que pesou na distinção da proposta, segundo o júri, "prende-se com o seu conteúdo imagético e de fascínio por estes objetos arquitetónicos, [...] inscrevendo-a numa reativação dos problemas de fronteira e de guerra que nos vêm afligindo. A proposta procura a discussão do passado destes objetos, também em Portugal, e da sua importância para a memória coletiva futura".

O resultado da investigação será apresentado em abril de 2025, quando do lançamento da 21.ª edição do Prémio Fernando Távora.

Maria Rita Pais, arquiteta, professora, investigadora e curadora, é doutorada em Arquitetura pela Universidade de Lisboa.

Luís Santiago Baptista desenvolve a prática da Arquitetura, a docência universitária, a crítica e a curadoria de exposições, além da atividade editorial. Prepara a tese "Point de Folie: As Estratégias da Desconstrução na Arquitectura Contemporânea 1978-2001", com investigação na Architectural Association de Londres e no Museu de Arte Moderna (MoMA) de Nova Iorque.

Criado em 2005, o prémio é uma homenagem ao arquiteto Fernando Távora (1923-2005), nome de referência na chamada Escola do Porto e na arquitetura portuguesa contemporânea. Tem por objetivo "perpetuar a [sua] memória" e "o importante contributo da viagem e do contacto direto com outras realidades na formação da cultura do arquiteto enquanto profissional", como Távora a entendia, explica a OASRN.

O prémio consiste numa bolsa de viagem de investigação, selecionada por um júri que, nesta 19.ª edição, foi presidido pelo ator e encenador Ricardo Pais.

Fizeram igualmente parte do júri as arquitetas Andrea Soutinho, pela Fundação Marques da Silva, Ana Vieira, pela Casa da Arquitectura, e Susana Ventura, pela OASRN, assim como Maria José Távora, filha do mestre.

O prémio é organizado pela OASRN com a Câmara Municipal de Matosinhos, a Casa da Arquitectura e a Fundação Marques da Silva.

+ notícias: País

Mais de 80% dos jovens diplomados têm emprego 3 anos após concluírem estudos

Cerca de 82% dos diplomados entre os 20 e 34 anos têm emprego três anos após concluírem o ensino secundário ou superior, segundo um relatório divulgado esta terça-feira que confirma as vantagens salariais associadas à maior formação académica.

Registados problemas em cartões da rede móvel da MEO

Alguns cartões de clientes da rede móvel da MEO estão a registar na manhã desta terça-feira alguns constrangimentos, disse à agência Lusa fonte da operadora de comunicações de voz do grupo Altice, sem adiantar mais pormenores.

Portugal lidera na Europa... no aumento do preço do azeite

O preço do azeite subiu em janeiro 69% em Portugal, registando o maior aumento homólogo do produto, que na média da União Europeia (UE) aumentou 50%, segundo dados divulgados esta terça-feira pelo Eurostat.