Passeios da Avenida da Boavista vão encolher com a instalação do metrobus

Foto: André Arantes|Porto Canal
| Porto
Porto Canal

As obras do metrobus, no Porto, voltam a ser questionadas, mas desta vez o motivo é a distribuição do espaço destinado aos modos de deslocação que caberão na avenida da Boavista, que recebe grande parte do novo canal de mobilidade.

O problema é a pouca largura dos passeios nos segmentos da Boavista em que serão instaladas as estações de metrobus. Para encaixar o canal de metrobus e manter duas vias em cada sentido para o automóvel privado, os passeios encolhem nos pontos das paragens o que, para a Associação pela Mobilidade Urbana em Bicicleta (MUBi), significa uma “degradação das condições para a mobilidade ativa” naquela parte da cidade.

Segundo o jornal Público, a preocupação é partilhada também pelo movimento Estrada Viva que, já no início deste mês, enviou um alerta ao presidente da Câmara Municipal do Porto (CMP), Rui Moreira. A situação “poderá comprometer gravemente a segurança e conforto pedonal na execução das obras do metrobus”, escrevia Mário Alves, presidente do movimento, na carta a que o Público teve acesso.

Quando a obra foi apresentada, no início deste ano, foi anunciado que a secção de ciclovia ainda existente junto à Casa da Música deixaria de existir. Serão também removidas 84 árvores jacarandá, no entanto, a Metro do Porto garanta que, no final da empreitada, haverá 723 árvores. Também passarão a haver menos 172 lugares de estacionamento entre a Casa da Música e a avenida Marechal Gomes da Costa.

+ notícias: Porto

O antigo quarteirão da Casa Forte mudou com o Porto

O antigo quarteirão da Casa Forte, no coração do Porto, ganhou o nome da loja da esquina voltada ao Mercado do Bolhão. A emblemática empresa da cidade viria a encerrar em 2004, paradoxalmente o ano da criação da Porto Vivo, Sociedade de Reabilitação Urbana, que lançou as bases da nova vida do quarteirão. Entre projetos, demolições e mudança de promotores imobiliários, só ao fim de quase 20 anos é que o espaço da cidade vai voltar a receber moradores. Numa viagem pela história, que resposta dá à cidade o novo Quarteirão da extinta Casa Forte?

“A ‘cidade-negócio’ vai-se descaracterizando completamente perdendo interesse até para turistas”

A histórica Mercearia do Bolhão, aberta no Porto desde 1880, vai encerrar portas a 30 de abril para dar lugar a uma loja da multinacional Ale-Hop, como avançou o Porto Canal na manhã desta sexta-feira. À esquerda, os vereadores da oposição da Câmara do Porto lamentam que a cidade se vá ‘descaracterizando’.

Neonia: o novo museu interativo e néon que ilumina a história do Porto

Sabia que em 1917, dois acrobatas subiram à Torre dos Clérigos sem qualquer equipamento de proteção para promover uma marca de bolachas? Apesar de já ter passado mais de um século, este é um entre os tantos acontecimentos lembrados no novo museu que abriu portas este sábado no coração do Porto. “O Neonia é uma pura homenagem à cidade”, sublinha um dos responsáveis.