Serralves divulga arquivo do cineasta Manoel de Oliveira em exposição

Serralves divulga arquivo do cineasta Manoel de Oliveira em exposição
| Porto
Porto Canal / Agências

Cartas, fotografias de rodagem, biblioteca pessoal, guiões e documentação para a produção cinematográfica são alguns dos objetos do arquivo de Manoel Oliveira para descobrir na exposição “1. A Bem da Nação (1929-1969)”, em Serralves (Porto), até 17 de setembro.

Cartas, fotografias de rodagem, biblioteca pessoal, guiões e documentação para a produção cinematográfica são alguns dos objetos do arquivo de Manoel Oliveira para descobrir na exposição “1.A Bem da Nação (1929-1969)”, em Serralves (Porto), até 17 de setembro.

“Esta exposição é um primeiro momento de um ciclo de exposições que incidirá sobre o arquivo do Manoel de Oliveira, integralmente depositado na Casa do Cinema Manoel de Oliveira em Serralves. Prevê-se que seja o primeiro de três momentos. Haverá ainda mais duas exposições que darão continuidade a este primeiro momento”, explicou esta quinta-feira o diretor da Casa do Cinema Manoel de Oliveira, António Preto, em conferência de imprensa, para apresentar oficialmente a exposição “1. A Bem da Nação (1929-1969)”.

A exposição, que é inaugurada esta quinta-feira, ao final da tarde, incide sobre os primeiros 40 anos da produção cinematográfica de Manoel de Oliveira - ou seja, situa-se entre 1929, o ano em que se inicia a rodagem do seu primeiro filme, “Douro Faina Fluvial” (1931), e o ano de 1969, que corresponde à época em que Manoel de Oliveira realizou “As Pinturas do Meu irmão Júlio” (1965) e à criação do Centro Português de Cinema, a cooperativa “responsável por um novo fôlego do cinema português e especificamente da produção de Manoel de Oliveira, que obteve o primeiro financiamento”, explicou António Preto, cocurador da exposição, com o cineasta João Mário Grilo.

O primeiro objetivo desta exposição é dar a conhecer o “fragmento póstumo”, acrescentou, por seu turno, João Mário Grilo, declarando que a mostra é “uma espécie de filme não filmado que Manoel Oliveira deixou” através do arquivo que o realizador fez em vida.

Sob o título “A Bem da Nação”, expressão conhecida durante o fascismo português e usado em centenas de documentos oficiais de que Manoel de Oliveira foi destinatário durante a ditadura de Oliveira Salazar, tal como milhões de portugueses, a exposição revela igualmente a totalidade da biblioteca do realizador.

Entre as centenas de livros de Manoel de Oliveira destacam-se obras de literatura portuguesa, como as de Camilo Castelo Branco, Jose Régio e Agustina Bessa-Luís, escritores de referência para a sua cinematografia, a par de obras de literatura estrangeira de autores como Alexander Soljenítsin, e o seu “Arquipélago de Gulag”, a Leon Tolstoi e Fiódor Dostoiévski.

Para João Mário Grilo, esta exposição é um tributo que se presta a uma “figura histórica que é incomensurável em Portugal”.

Em "A Bem da Nação", a mostra, acede-se à “intimidade” dos processos criativos do realizador, reavaliando as suas dúvidas e as suas convicções, as persistências e inversões de percurso que fazem dele um dos artistas mais irreverentemente inventivos dos últimos 100 anos.

A exposição é um verdadeiro “desarquivar do arquivo”, de “ouvir o que ele nos diz e de mostrar o que ele nos mostra”, esta exposição “é tanto um estaleiro como uma chamada de trabalhos, um 'work in progess'”, lê-se no dossiê de imprensa entregue aos jornalistas

“É uma obrigação da Casa do Cinema mostrar o espólio do realizador”, observou João Mário Grilo, avançando que a próxima exposição vai ser sobre o filme “Amor de Perdição”, baseado na obra homónima de Camilo Castelo Branco, que classificou como “revolucionário” na história do cinema português, com as suas quatro horas de duração.

A filmografia realizada por Manoel de Oliveiro entre o período 1929 -1969 inclui “Douro, Faina Fluvial” (1931), “Aniki-Bobó” (1942), “O Pintor e a Cidade” (1956), “O Pão” (1959), “Acto da Primavera” (1963), “A Caça” (1964), “As Pinturas do meu Irmão Júlio” (1965).

A exposição “1. A Bem da Nação (1929-1969)” é inaugurada hoje, oficialmente, às 19:00, na Casa do Cinema Manoel de Oliveira, na Fundação de Serralves, e fica patente ao público a partir de sexta-feira, 17 de março, até 17 de setembro.

Esta é a primeira exposição de um ciclo de intitulado "Manoel de Oliveira e o Cinema Português", com o objeitvo de dar a conhecer o arquivo do realizador, elaborado ao longo de mais de oitenta anos de trabalho, e integralmente depositado em Serralves.

+ notícias: Porto

Após sucessivos atrasos, Feiródromo de Campanhã deverá estar pronto em junho de 2025

A Câmara do Porto espera que o Feiródromo de Campanhã esteja pronto em junho de 2025. Tal como avançou o Porto Canal em fevereiro, as obras que deveriam ter arrancado até ao final de 2023 atrasaram. O concurso público para a construção da estrutura acabou por ser lançado apenas há quatro meses, mas só recebeu propostas pelo dobro do preço estipulado.

APDL esclarece que “nunca esteve em causa” retirar os feirantes do cais da Ribeira

A Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL) esclareceu esta quarta-feira que “nunca esteve em causa a retirada” dos feirantes da ribeira do Porto, depois de ter pedido à junta de freguesia para cancelar as licenças.

Antigo Aleixo (re)nasce com promessa de habitação acessível

A Câmara Municipal do Porto aprovou esta quarta-feira a abertura da discussão pública da delimitação da Unidade de Execução do Aleixo para onde está prevista a construção de edifícios em altura e de um parque verde.