Rússia garante que não vai vender petróleo ao preço definido pelo Ocidente

Rússia garante que não vai vender petróleo ao preço definido pelo Ocidente
| Mundo
Porto Canal / Agências

O vice-primeiro-ministro da Rússia, Alexander Novak, garante que não vai vender petróleo dentro do limite máximo de preços decretado por países ocidentais, mesmo que isso venha a ter como consequência uma redução na produção petrolífera russa.

 

“Estamos a trabalhar em mecanismos para proibir a utilização do instrumento de tecto de preço, independentemente de qual for esse tecto, porque uma interferência dessas pode desestabilizar ainda mais o mercado”, afirma Alexander Novak à Reuters.

O vice-primeiro-ministro russo diz a Rússia vai vender "produtos petrolíferos apenas aos países" que trabalhem com a Rússia "nas condições impostas pelo mercado", garantido que para isso nem que tenham que "reduzir a produção".

A Rússia é o segundo maior exportador de petróleo do mundo.

Esta sexta-feira a Rússia foi confrontada com um acordo na sexta-feira alcançado no G7 (EUA, Reino Unido, Japão, Itália, Alemanha, França e Canadá, com a UE também representada) e pela Austrália que define que a compra de petróleo russo não pode ser feita se o custo for superior a 60 dólares por barril. A UE também aderiu ao acordo, depois de ultrapassadas as resistências da Polónia, refere a Reuters.

+ notícias: Mundo

Comité Olímpico apoia a reintegração de atletas russos e bielorrussos

O presidente do Comité Olímpico de Portugal (COP) manifestou-se esta sexta-feira favorável à reintegração dos atletas russos e bielorrussos nas competições internacionais, de acordo com a orientação assumida pelo Comité Olímpico Internacional (COI), que deseja "explorar" vias para o fazer.

Frio no Afeganistão faz 158 mortos

O número de mortos devido às inundações repentinas e à pior onda de frio em décadas no Afeganistão, que atingiu o país nas últimas duas semanas, subiu para 158, avançaram à EFE as autoridades talibãs.

Necessárias medidas para travar violações de direitos humanos na Venezuela. Pedido de 90 ONG à ONU

Noventa organizações não-governamentais (ONG) venezuelanas pediram ao Alto-Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) que reforce o trabalho conjunto e os mecanismos internacionais para travar as violações dos direitos humanos na Venezuela.