Transporte aéreo: "Situação não deverá melhorar nas próximas semanas", afirma a TAP

Transporte aéreo: "Situação não deverá melhorar nas próximas semanas", afirma a TAP
| Economia
Porto Canal / Agências

A presidente executiva (CEO) da TAP, Christine Ourmières-Widener, reconheceu que a companhia aérea não "está a oferecer o serviço de excelência" que planeou, depois de um fim de semana com vários cancelamentos, onde a previsão é que a situação "não deverá melhorar nas próximas semanas".

Numa mensagem hoje publicada, dirigida aos clientes, a gestora deu conta das dificuldades sentidas pela transportadora nos últimos tempos, avisando que os constrangimentos irão manter-se, mas que fará "melhor para voltar a proporcionar" qualidade, pontualidade e confiança.

"Neste momento, reconhecemos que não estamos a oferecer o serviço de excelência que planeámos e que queremos que experiencie connosco, face à crise que o transporte aéreo atravessa e que, de acordo com as previsões mais recentes, não deverá melhorar nas próximas semanas, fruto do aumento regular das viagens de lazer e de negócios", escreveu a CEO, apresentando as "mais sinceras desculpas" da companhia aérea.

"Os últimos dois anos foram muito difíceis para todos nós, sobretudo para o setor da aviação comercial, extremamente penalizado devido à pandemia", indicou, garantindo que "todos os colaboradores da TAP Air Portugal têm trabalhado resiliente e consistentemente na reconstrução da companhia e em ganhar novamente" a confiança dos passageiros. 

"Este fim de semana não foi fácil para a TAP devido a constrangimentos vários", lamentou, acrescentando que "só com o empenho e esforço das equipas, tanto de terra como do ar, foi possível prestar o melhor serviço possível aos nossos passageiros, levá-los ao destino e normalizar a operação".

"Não há nada que todos queiramos mais do que levar Portugal ao mundo e trazer o mundo a Portugal já este verão. Esta é a nossa razão de existir e é para cumprir esse objetivo que todos temos trabalhado nos últimos meses", realçou Christine Ourmières-Widener.

A CEO ressalvou, no entanto, que "ainda que as restrições à mobilidade de passageiros tenham sido levantadas na sua maioria, o transporte aéreo, bem como a respetiva estrutura e serviços complementares, enfrenta uma séria limitação de recursos a nível global, num momento em que as operações de voo passaram praticamente do zero para cerca de 90% dos níveis pré-pandemia".

"Garantimos que a TAP e todas as nossas equipas estão empenhadas, neste momento, em minimizar ao máximo todo e qualquer inconveniente que possa surgir durante a sua jornada connosco, esperando contar com um transporte aéreo mais robusto, funcional e articulado no verão de 2023", disse a CEO.

"Agradecemos, como sempre, a sua fidelidade e esperamos contar também com a sua compreensão, caso a sua viagem não tenha ido ainda ao encontro das suas expectativas. Estamos a fazer o nosso melhor para voltar a proporcionar-lhe a qualidade, a pontualidade e a confiança que merece e que certamente terá da TAP Air Portugal, o mais rapidamente possível", rematou a CEO da transportadora.

Este fim de semana, a companhia cancelou vários voos tendo em conta os constrangimentos que estão a afetar a operação um pouco por todo o mundo, dada a recuperação rápida do tráfego depois de uma paralisação quase total devido à pandemia.

 

ALYN // JNM

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Governo fixa mínimo do abono de família em 600 euros anuais para crianças dos 1.º e 2.º escalões

O Governo anunciou esta quinta-feira um reforço do abono de família para um mínimo de 600 euros anuais por filho, para crianças dos 1.º e 2.º escalões, e criou uma prestação adicional para crianças em situação de pobreza extrema.

Presidente da Ryanair avisa que acabou tempo dos voos a 10 euros

O presidente executivo da Ryanair, Michael O’Leary, avisou esta quinta-feira que o tempo dos voos a 10 euros acabou, devido à subida dos preços da energia, que se acelerou com a guerra na Ucrânia.

Viticultores do Douro acreditam que a colheita deste ano vai ficar mais abaixo da anterior

A seca enfraqueceu a qualidade das uvas e com isso os viticultores do Douro acreditam que a colheita deste ano vai ficar mais abaixo do que a do ano passado. No entanto, em forma de combate, surgiu uma aplicação capaz de ajudar na produção de vinho e até na previsão das alterações do clima, com capacidade de mediação em tempo real e também futura.