Militar cercado em Azovstal partilha fotografias do interior dos abrigos. Veja as imagens aqui

Militar cercado em Azovstal partilha fotografias do interior dos abrigos. Veja as imagens aqui
Kozatsky
| Mundo
Porto Canal com Lusa

Um militar ucraniano do regimento Azov colocou à disposição do público uma seleção de fotografias tiradas no interior da fábrica de aço Azovstal, último reduto da resistência ucraniana na cidade portuária de Mariupol.

"Bom, é tudo. Obrigado a partir dos abrigos de Azovstal - o lugar da minha morte e da minha vida", escreveu Dmytro Kozatskyi, 'Orest', que prometeu partilhar, enquanto estiver "em cativeiro", fotografias de melhor qualidade, que incentivou a serem enviadas para prémios jornalísticos e concursos de fotografia.

Vejas as fotos aqui:

Porto Canal

Porto Canal

Porto Canal

Porto Canal

Porto Canal

Porto Canal

Porto Canal

Porto Canal

Porto Canal

Porto Canal

Porto Canal

Porto Canal

Porto Canal

Porto Canal

Porto Canal

Porto Canal

Porto Canal

Porto Canal

Porto Canal

Porto Canal

Porto Canal

Porto Canal

Porto Canal

 

 

Na mensagem, o combatente partilhou também uma hiperligação para a transferência de fotografias, algumas delas já conhecidas, como as de um hospital de campanha num dos abrigos da fábrica e um militar sob um raio de luz.

As imagens refletem também as atividades diárias dos militares na siderurgia, tais como fazer uma fogueira, fazer palavras cruzadas e cortar a barba.

O comandante do regimento Denys Prokopenko anunciou hoje que os últimos soldados ucranianos entrincheirados na fábrica siderúrgica receberam ordens de Kiev para "deixar de defender a cidade".

"O alto comando militar deu a ordem para salvar a vida dos soldados da nossa guarnição, parando de defender a cidade", disse o comandante do regimento Azov, uma das unidades ucranianas presentes na siderúrgica, numa mensagem de vídeo publicada no serviço de mensagens Telegram e relatada pela agência Ukrinform.

O complexo metalúrgico, com o seu labirinto de galerias subterrâneas escavadas nos tempos soviéticos, foi a última bolsa de resistência ucraniana nesta cidade portuária no Mar de Azov, fortemente bombardeada pelos russos.

Após a recente retirada de civis, incluindo mulheres e crianças de Azovstal, 1.908 soldados ucranianos entrincheirados nas entranhas da siderúrgica, incluindo os feridos, têm-se rendido, desde segunda-feira, às forças russas, informaram as autoridades de Moscovo.

"Conseguimos salvar os civis, os feridos graves receberam a ajuda necessária, conseguimos retirá-los para uma troca posterior", explicou Prokopenko, acrescentando que espera que em breve seja também possível enterrar dignamente os soldados mortos em combate.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de três mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A ofensiva militar causou a fuga de mais de 14 milhões de pessoas, das quais mais de 6,3 milhões para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

 

+ notícias: Mundo

Suspeito de ataque em Copenhaga tem antecedentes psiquiátricos

O alegado autor de um tiroteio ocorrido no domingo em Copenhaga, que fez três mortos e quatro feridos graves, tem antecedentes de doença psiquiátrica, indicou hoje a polícia dinamarquesa, afirmando não haver indícios de "um ato terrorista".

Vários mortos em tiroteio na Dinamarca. Suspeito é dinamarquês e tem 22 anos

Várias pessoas morreram num tiroteio no centro comercial Field's, em Copenhaga, capital da Dinamarca, revelou a polícia. Uma pessoa foi detida.

Rússia anuncia controlo total da região ucraniana de Lugansk. Ucrânia desmente. 

O ministro da Defesa russo Serguei Shoigu afirmou hoje que as forças russas controlam toda a região ucraniana de Lugansk, no Donbass, depois de conquistada a cidade-chave de Lisichansk, alvo de combates intensos nos últimos dias.