Info

PRR: Beiras e Serra da Estrela diz que Governo promove "discussão pública de farsa"

| Política
Porto Canal com Lusa

Guarda, 26 fev 2021 (Lusa) - O presidente da Comunidade Intermunicipal Beiras e Serra da Estrela disse hoje que o Governo está a promover uma "discussão pública de farsa" do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e lamentou que os municípios não tenham sido ouvidos.

"É uma discussão pública de farsa. É uma discussão pública para satisfação do Governo, mas que, na verdade, não é em nada de discussão pública. Por uma simples razão: desde logo, os municípios, enquanto autoridades que no território, ao longo destes anos, têm sido as entidades que têm executado os diferentes programas comunitários, que têm sido fundamentais para a recuperação e a própria dinamização dos territórios, neste plano, estão completamente postas à margem", disse à Lusa Luís Tadeu.

O presidente da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIM-BSE), que é também o presidente da Câmara Municipal de Gouveia, referiu que, no processo, também "as próprias Comissões de Coordenação são postas à margem".

"Tudo é, pode dizer-se, concentrado numa determinada visão que o Governo tem do país, para o país. Pergunta-se é se essa visão que o Governo tem é aquela que se adequa ao país real que temos", referiu.

E acrescenta: "E aí é que as coisas dão para o torto, é que esta visão que o Governo apresenta para o país, de facto, não é para o país, é para partes do país. É para as Áreas Metropolitanas. É para Lisboa, e a grande Área Metropolitana de Lisboa, é para o Porto, e a grande Área Metropolitana do Porto, é para a Madeira e é para os Açores. O resto do território não tem, efetivamente, relevância nenhuma neste programa".

Por isso, segundo o autarca, a participação num "pressuposto processo" de discussão pública é "participar na farsa que o mesmo constitui".

O presidente da CIM-BSE observa, ainda, que "quando praticamente metade das verbas são logo consumidas e reservadas para o próprio Estado, não para o território, e não envolvendo as autoridades que localmente executam os programas, o país é pensado de uma forma centralista, o que é curioso, porque vem clarificar a verdadeira visão de descentralização do Governo".

"É um Governo de incoerências. É um Governo que enche a boca para falar de descentralização de competências", aponta.

Na opinião do presidente da CIM-BSE, os fundos que se avizinham "não vão ser fator para recuperação" dos territórios mais desfavorecidos, nem para "tornar o país mais coeso".

Luís Tadeu lembra que, "em devido tempo", a CIM-BSE apresentou "aqueles que eram os seus propósitos" e o seu projeto principal estava relacionado com a capacitação digital do território e a utilização das novas tecnologias.

O projeto "âncora" da CIM-BSE possui diferentes ramificações, nomeadamente no âmbito da recuperação do imobiliário para a sua disponibilização a atuais ou novos residentes, acolhimento empresarial e apoio às empresas, reforço do regadio no território, floresta e proteção contra incêndios.

 

ASR // SSS

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Lei Autárquica: autarcas independentes querem a extinção da CNE 

Os presidentes de câmara eleitos em grupos de cidadãos querem a extinção da Comissão Nacional de Eleições. Segundo os autarcas independentes a CNE está a discriminar os movimentos independentes em relação aos partidos.

Operação Marquês: PR diz que "não pode nem deve comentar o que diz respeito ao poder judicial"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, escusou-se hoje a fazer qualquer comentário à decisão instrutória do processo relativo à Operação Marquês, considerando "não pode nem deve comentar o que diz respeito ao poder judicial".

Marcelo concorda com Costa sobre falta de poderes da EMA nas vacinas

O Presidente da República concordou hoje com o primeiro-ministro sobre a necessidade de a Agência Europeia de Medicamento (EMA) ter mais poder para que cada estado não tenha uma posição diferente sobre vacinas contra a covid-19.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Zoom Zoom Z o o m