Covid-19: Apoios públicos devem ser "absolutamente extraordinários"

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 20 nov 2020 (Lusa) -- O presidente executivo do Lloyds Bank, António Horta Osório, considerou hoje que os apoios públicos às empresas e famílias para responder à crise da pandemia da covid-19 devem ser "absolutamente extraordinários".

"É importante que os apoios corretos à economia e os próximos apoios sejam o mais possível apoios extraordinários, apoios pontuais" que não sejam repetidos nos anos seguintes, disse o economista na conferência Money Conference, organizada pelo Dinheiro Vivo e pela TSF.

"A um efeito extraordinário da Covid deve haver resposta extraordinária", disse Horta Osório, considerando que o Governo deve continuar com apoios públicos, mesmo que isso signifique um aumento do défice e a dívida pública.

Tais apoios devem ser no "curto prazo", salientou o economista, acrescentando que "com tempo e a longo prazo", o Governo deve preocupar-se com a correção das contas públicas e em regressar à trajetória de descida da sua dívida.

Para Horta Osório é preciso também criar riqueza: "Podemos repartir o bolo da maneira que quisermos, mas o primeiro objetivo devia ser aumentar o tamanho do bolo."

A única forma de o fazer, referiu, é "ter políticas corretas, que aumentem a riqueza geral do país, para que isso possa traduzir-se em salários maiores para cada pessoa" e que depois a distribuição dessa riqueza seja feita de forma "justa e equilibrada".

Portugal deve ainda, na opinião do economista, contrariar "urgentemente" o "enorme problema de envelhecimento".

"A pirâmide etária de portuguesa passou de uma pirâmide (o que devia ser) para um bloco, um retângulo vertical", disse.

Tal significará que "o rácio de dependentes vai passar, no caso português, para mais de um dependente para cada trabalhador", com impacto na Segurança Social.

Por outro lado, o envelhecimento da população vai fazer com que sejam necessários "muitos mais apoios médicos, com impacto inevitável no Sistema Nacional de Saúde", acrescentou.

 

ICO // MSF

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Ex-ministro das Finanças assume "risco significativo" de Orçamento do Estado para 2025 ser chumbado

O ex-ministro das Finanças João Leão considera que há "risco significativo" de o Orçamento do Estado para 2025 (OE2025) ser chumbado no parlamento, o que poderia causar eleições antecipadas, e de Portugal voltar ao défice no próximo ano.

Bruxelas elogia cortes "permanentes de despesa" anunciados pelo Governo

A Comissão Europeia saudou hoje o facto de as medidas anunciadas pelo primeiro-ministro se basearem em "reduções permanentes de despesa" e destacou a importância de existir um "forte compromisso" do Governo na concretização do programa de ajustamento.

Bruxelas promete trabalhar "intensamente" para conluir 7.ª avaliação

Bruxelas, 06 mai (Lusa) -- A Comissão Europeia está empenhada em trabalhar "intensamente" para terminar a sétima avaliação à aplicação do programa de resgate português antes das reuniões do Eurogrupo e do Ecofin da próxima semana, mas não se compromete com uma data.