Covid-19: Coimbra apoia famílias com 500 mil euros em vales de compras no comércio local

| Economia
Porto Canal com Lusa

Coimbra, 20 nov 2020 (Lusa) -- A Câmara de Coimbra vai apoiar as famílias do concelho que perderam rendimentos durante a pandemia, com vales para compras no comércio local, no valor global de 500 mil euros, anunciou a autarquia.

O município vai apoiar "as famílias do concelho, que perderam rendimentos durante a pandemia da covid-19, com vales para dinamizar o comércio local na época natalícia que se avizinha", informa a Câmara, numa nota à comunicação social.

"A verba disponível para este programa é de meio milhão de euros e parte foi canalizada da programação de Natal que a autarquia decidiu cancelar", explicita.

"Esta medida tem uma dupla motivação: apoiar pessoas e famílias residentes no concelho [de Coimbra] com problemas" resultantes da pandemia, e, "ao mesmo tempo, estimular o comércio local", disse hoje à agência Lusa o presidente da Câmara, Manuel Machado.

Os comerciantes interessados em aderir ao programa terão de se registar numa plataforma eletrónica, adiantou Manuel Machado, indicando que idêntico procedimento deverá ter quem tenha "perdido rendimentos e necessite deste apoio", cujo controlo será feito pelos serviços municipais.

Os portadores dos vales têm "o direito de escolher" os produtos e/ou serviços que "mais precisarem e entenderem". A iniciativa "não tem a lógica de cabaz de compras", sublinhou o autarca, considerando que o programa também pretende dar autonomia aos munícipes mais carenciados e "induzir um sentimento de autoestima".

O projeto começa a ser executado na primeira semana de dezembro e deverá decorrer até final de janeiro de 2021.

O valor dos vales será atribuído em função da composição do agregado familiar, variando entre 160 e 460 euros por família, refere a Câmara, salientando que a sua utilização será "exclusiva em estabelecimentos de comércio local de Coimbra, que tenham aderido previamente ao programa".

Os vales poderão ser usados na "aquisição de bens essenciais, tais como alimentação, roupa, artigos de higiene e limpeza, equipamentos de proteção individual, calçado, eletrodomésticos, artigos para o lar e outros equiparados", mas, "tratando-se de um programa a implementar durante a época natalícia", também poderão ser utilizados na compra de brinquedos para as crianças.

A Câmara de Coimbra cancelou as iniciativas que habitualmente constituem a programação de Natal e que "eram empreendidas há sete anos consecutivos, tendo em consideração as medidas de contingência da pandemia de covid-19".

"A já tradicional pista de gelo, o carrossel parisiense, o concerto de inauguração da iluminação de Natal e toda uma vasta programação natalícia", promovida em 2020, fica sem efeito, anunciou a autarquia no dia 11.

A iluminação festiva pelas ruas da cidade vai, no entanto, ser ligada "mais cedo [dia 27] e reforçada, chegando a mais locais, que incidem sobretudo em zonas de comércio e restauração", de modo a "criar um atrativo extra para apoiar um setor que tem sido dos mais afetados pela pandemia", explicou a Câmara de Coimbra.

Entretanto, os protocolos do Fundo Municipal de Emergência Social para 2020, para intervenção das comissões sociais de Freguesias, atingem o montante global de 316 mil euros, metade dos quais foram entregues em março.

JEF // SSS

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Casais com ambos os elementos desempregados recuam 10,6% em dezembro 

O número de casais com ambos os elementos no desemprego caiu 10,6% em dezembro de 2022 em termos homólogos, para 4.879, tendo subido 3,4% em cadeia, informou hoje o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).

Costa convicto de que economia pode crescer acima do que estava previsto

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou esta quarta-feira que os indicadores da economia reforçam a convicção de que a economia portuguesa irá crescer mais do que aquilo que o Governo tinha inicialmente previsto.

Produção de eletricidade da EDP Renováveis aumentou 10% em 2022

A EDP Renováveis (EDPR) produziu 33,4 terawatts-hora (TWh) de eletricidade em 2022, um aumento de 10% face a 2021, destacando-se a Europa e a América, que representaram 35% e 55%, respetivamente, foi esta quarta-feira comunicado ao mercado.