Covid-19: Hospital Garcia de Orta vai ter mais 30 camas para tratar infetados

| País
Porto Canal com Lusa

Almada, Setúbal, 04 nov 2020 (Lusa) - A administração do Hospital Garcia de Orta (HGO), em Almada, anunciou hoje que vai disponibilizar mais 30 camas para tratamento de doentes covid-19 até final do ano.

"Está prevista a expansão da capacidade de internamento de doentes com patologia covid através de uma nova estrutura modular para tratamento de doenças infeciosas/covid, superior a 30 camas", revelou à agência Lusa a administração daquela unidade hospitalar do concelho de Almada, no distrito de Setúbal.

Profissionais de saúde do Hospital Garcia de Orta disseram à agência Lusa que a capacidade instalada para tratamento de doentes covid-19 "está esgotada" e garantiram que há vários serviços a funcionar com um quadro de pessoal reduzido devido à pandemia.

Esses profissionais disseram ainda que estão a ser pressionados pela administração para manter o nível de resposta que se verifica em condições normais.

Por outro lado, denunciam a existência de doentes infetados em serviços/enfermarias não covid, bem como a alegada recusa da morgue do hospital em aceitar pessoas falecidas em casa.

O Hospital Garcia de Orta dispõe, neste momento, de 60 camas para doentes covid, incluindo oito camas em cuidados intensivos polivalentes.

Confrontada com a denúncia de alegadas dificuldades na resposta aos problemas provocados pela pandemia de covid-19, a administração do hospital Orta começa por assegurar que realiza "testes a todos os doentes aquando do seu internamento e de forma sistemática, promovendo ainda rastreios aos seus profissionais de saúde nos diferentes serviços clínicos".

Salienta ainda que tem atualmente três enfermarias covid-19 e vai abrir uma quarta enfermaria.

Na resposta por escrito a perguntas da agência Lusa, a administração do Hospital Garcia de Orta admite também que tem atualmente "cerca de 2% dos seus profissionais com resultado positivo para a infeção de SARS-CoV2 e em isolamento profilático", mas sublinha que a grande maioria das infeções ocorreram "em contexto extra-hospitalar".

Por outro lado, o Conselho de Administração do HGO reconhece o "esforço e empenho acrescidos por parte de todos os profissionais de saúde, durante este período de pandemia, para assegurarem a qualidade da resposta em saúde aos utentes".

Quanto à casa mortuária, a administração do HGO admite que há oscilações diárias, mas assegura que a lotação atual é de cerca de 79% e que os falecidos no domicílio "podem ser encaminhados para a casa mortuária do HGO ou para outras morgues, mediante a lotação de cada uma e segundo autorização do Procurador da área".

Além das medidas previstas para melhoria da capacidade de resposta a doentes covid, a administração do Garcia de Orta refere que também estabeleceu protocolos com entidades externas para assegurar a retoma da atividade cirúrgica, com profissionais do HGO e de outras instituições. 

Entre outras medidas, o HGO destaca a criação de "uma Unidade de Hospitalização Domiciliária para doentes covid com cinco camas", "aumento do número de teleconsultas" e a contratação de "mais especialistas para reforçar a multidisciplinaridade da sua oferta".

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,2 milhões de mortos e mais de 46,9 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.635 pessoas dos 149.443 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

 

GR // MCL

Lusa/Fim

+ notícias: País

DGS emite orientações para unidades de saúde detetarem precocemente casos de sarampo

A Direção-Geral da Saúde (DGS) emitiu orientações para as instituições prestadoras de cuidados de saúde para promover um “inquérito de risco infeccioso” na admissão do doente para identificar precocemente casos suspeitos de sarampo.

Mais de 500 pessoas detidas numa semana em Portugal

504 pessoas foram detidas pela Polícia de Segurança Pública (PSP) em todo o país, entre 15 a 21 de junho. Entre as detenções, 145 são relativas a crimes rodoviários, sendo que 68 são por condução sob o efeito de álcool e 77 por falta de habitação legal para conduzir.

Ministério da Saúde adia reuniões com sindicatos médicos

O Ministério da Saúde adiou as reuniões negociais que estavam agendadas para a próxima semana com a Federação Nacional dos Médicos e o Sindicato Independente dos Médicos, disseram hoje à Lusa os respetivos líderes sindicais.