Info

Bolsa de Lisboa intensifica perdas e cai 3,27% com as 18 ações do PSI20 em queda

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 24 fev 2020 (Lusa) -- A bolsa de Lisboa estava hoje a meio da manhã a intensificar as perdas, com o PSI20 a cair mais de 3,2%, alinhada com as congéneres europeias, devido aos receios da rápida propagação do coronavírus fora da China.

Cerca das 11:45 em Lisboa, o principal índice da bolsa, o PSI20, recuava 3,27% para 5.211,68 pontos, com os 18 'papéis' a descerem, liderados pela Mota-Engil e Galp Energia, que recuavam 6,28% para 1,51 euros e 4,83% para 13,60 euros.

As ações dos CTT e da NOS também estavam a desvalorizar-se mais de 4%, designadamente 4,57% para 2,59 euros e 4,35% para 3,96 euros.

No mesmo sentido, as ações do BCP, da Sonae SGPS e da Semapa recuavam mais de 3%, enquanto as da Corticeira Amorim, da Jerónimo Martins, da Altri, da Sonae Capital e da EDP desciam mais de 2%.

Também a cair mais de 2% estavam os 'papéis' da EDP Renováveis, Ramada Investimentos, REN e Pharol.

Na Europa, as principais bolsas estavam hoje também em forte baixa, devido aos receios da rápida propagação do coronavírus fora da China, em regiões como a Coreia do Sul, Itália e Médio Oriente.

Às 11:45 em Lisboa, a bolsa de Milão descia 4,70%, com o norte de Itália semi-paralisado na sequência do surto do coronavírus no norte de Itália, que até ao momento já provocou 185 infetados e quatro mortos.

Na sequência do surto do Covid-19 também está a ser significativa a subida dos juros da dívida de Itália, que à mesma hora estavam a subir para 0,954% a 10 anos, contra 0,909% na sexta-feira.

As praças europeias começaram a semana com fortes perdas perante o receio que está a despertar o aumento exponencial de contagiados com o coronavírus fora da China, origem do surto.

Em Itália morreram quatro pessoas devido à epidemia, que já conta com mais de 150 infetados, enquanto na Coreia do Sul foram registados 161 novos casos que aumentaram o número de contagiados para um total de 763 pessoas.

Na China, as autoridades sanitárias informaram que o número de mortos subiu para 2.592, com 150 mortes adicionais, e o de infetados para 77.150 pessoas.

Na Ásia, onde Tóquio não opera hoje por ser feriado, o índice sul-coreano Kospi recuou 3,97%, enquanto na China, a bolsa de Xangai desceu 0,33%.

Perante os receios da propagação do Covid-19, os investidores estão a optar por valores seguros como o dólar, fazendo com que o euro se mantenha em níveis mínimos desde abril de 2017, ou o ouro, que continua a subir para novos máximos desde o início de 2013, para 1.634 dólares a onça.

Na sexta-feira, a bolsa de Nova Iorque terminou com o Dow Jones a cair 0,78% para 28.992,41 pontos, contra 29.551,42% em 12 de fevereiro, atual máximo desde que foi criado em 1896.

O Nasdaq fechou a recuar 1,79% para 9.576,59 pontos, contra 9.817,18 pontos na quarta-feira, atual máximo de sempre.

A nível cambial, o euro abriu hoje em baixa no mercado de câmbios de Frankfurt, a cotar-se a 1,0823 dólares, contra 1,0847 dólares na sexta-feira e 1,0792 dólares em 10 de fevereiro, atual mínimo desde 24 de abril de 2017.

O barril de petróleo Brent para entrega em abril de 2020 abriu hoje em alta, a cotar-se a 56,68 dólares no Intercontinental Exchange Futures (ICE) de Londres, contra 56,50 dólares na sexta-feira e o mínimo desde 26 de dezembro de 2018, de 53,27 dólares, em 10 de fevereiro.

MC // CSJ

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Arranque da semana marcado com novo aumento dos combustíveis  

O arranque desta semana fica marcado com um novo aumento dos combustíveis, com a gasolina a aumentar um cêntimo e o gasóleo a rondar uma subida de dois cêntimos por litro. Com o pouco movimento que o Porto Canal verificou na manhã desta segunda-feira, os Portuenses optaram por abastecer o depósito no fim de semana.

Covid-19: Adesão a pagamento fracionado do IVA não exige quebra de faturação de 10%

As micro e pequenas empresas que pretendam aderir ao pagamento fracionado do IVA e retenções na fonte do IRS e IRC podem fazê-lo mesmo que não tenham registado uma quebra de faturação de 10%, segundo um despacho agora publicado.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.