Mudanças em Angola são "sinal positivo" para investidores estrangeiros - EUA

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 05 jul 2019 (Lusa) - O secretário de Estado adjunto norte-americano para os Assuntos Africanos considerou hoje os esforços de combate à corrupção em Angola "um sinal positivo" para os investidores estrangeiros, sustentando que "projetam estabilidade" para todo o continente.

"As mudanças em Angola são fortes e terão impacto positivo não apenas em Angola, mas em todo o continente", disse Tibor P. Nagy.

O secretário de Estado adjunto dos EUA para os Assuntos Africanos falava hoje à agência Lusa, em Lisboa, à margem da conferência "Fortalecer a parceria americana e europeia com a África", que proferiu no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP), da Universidade de Lisboa.

"Quando a mudança aconteceu, as pessoas estavam pessimistas, pensavam que seria uma continuação do antigo regime, mas, passo a passo, o Presidente João Lourenço está a combater a corrupção e a levar Angola numa nova direção", adiantou.

Neste sentido, o diplomata assinalou o facto de a primeira visita ao estrangeiro do recém-eleito Presidente da República Democrática do Congo, Felix Tshisekedi, ter sido a Angola.

"Em muitos aspetos, o Presidente Lourenço pode ser um mentor para outros chefes de Estado e, num certo sentido, é Angola a projetar estabilidade e sabedoria além das suas fronteiras", disse.

Antes, durante a conferência, Tibor P. Hagy tinha assinalado dos esforços de Angola para melhorar o clima de negócios.

"O compromisso do Presidente Lourenço no combate à corrupção é um sinal importante e positivo para os investidores estrangeiros. A criação de processos transparentes gerará um interesse muito maior do setor privado nas oportunidades de comércio e investimento em Angola", disse.

Apontou, por outro lado, que a aprovação pelo parlamento angolano da nova lei sobre o investimento privado e a facilitação de vistos facilitarão a procura de oportunidades em Angola.

Tibor P. Nagy abordou também as recentes eleições e os desenvolvimentos políticos na Guiné-Bissau, adiantando que é preciso "continuar a fazer figas".

Apontou, relativamente a Moçambique, que se "tudo correr bem" em agosto o acordo de paz entre a Frelimo (no poder) e a Renamo (maior partido da oposição) será assinado, haverá eleições presidenciais e será dado "mais um passo em direção à paz e estabilidade".

Globalmente, o diplomata norte-americano, que ao longo da sua carreira de 32 anos passou por missões em vários países africanos, registou progressos no processo de democratização em África.

"País após país está a começar. Às vezes é, como disse Lenine, um passo à frente, dois atrás, mas o movimento está a avançar. Os dinossauros, que estavam no poder desde 1960, estão a desaparecer, de uma forma ou outra. Recentemente, Mugabe desapareceu finalmente, ainda há alguns", disse.

Apontou as "incríveis mudanças" que estão a acontecer na Etiópia e mostrou-se convencido de que as populações ficarão "muito felizes" com as mudanças que o Presidente Felix Tshisekedi está a promover na RDCongo.

"Estou muito entusiasmado com as mudanças positivas em África. África está a avançar", disse.

CFF // JH

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Ter cão ou gato está associado a menos alergias alimentares em crianças

Os animais domésticos, sejam cães ou gatos, estão associados a menos alergias alimentares em crianças com até três anos, mesmo quando expostas a estes animais antes do nascimento, refere um estudo esta quarta-feira divulgado.

Papa Francisco teve uma “noite tranquila” no hospital e deverá celebrar missa de Domingo de Ramos

O Papa Francisco passou uma “noite tranquila” no hospital Gemelli, em Roma, onde foi internado devido a uma infeção respiratória. Segundo divulgou a agência de notícias italiana ‘Ansa’, a equipa médica está otimista com a recuperação do Pontífice e acreditam que “haverá comemorações para o próximo Domingo de Ramos, no dia 2 de abril”.

Descoberta nova espécie de dinossauro na Gronelândia

Uma nova espécie de fitossauro, um réptil parecido com um crocodilo que viveu há mais de 215 milhões de anos, foi descoberta em Jameson Land, na Gronelândia, revela um estudo divulgado esta terça-feira.