Oitava edição das "Sete Maravilhas de Portugal" promove doçaria portuguesa

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 12 fev (Lusa) -- A doçaria portuguesa vai ser o mote da oitava edição das "Sete maravilhas de Portugal", que foram hoje apresentadas na Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa.

Em comunicado, a organização indica que a aposta vai ser feita na "inovação à base de produtos endógenos", com incentivos ao empreendedorismo local.

Luís Segadães, presidente das "Sete Maravilhas de Portugal", explicou que este projeto olha para "a doçaria portuguesa com uma perspetiva inovadora", promovendo a criação de novos doces.

O presidente da organização revelou ainda que este evento valoriza "a formação e a especialização em novas profissões associadas à doçaria e pastelaria portuguesa".

De acordo com as "Sete Maravilhas de Portugal", as categorias que vão ser avaliadas são: Doces de Território, Bolo de Pastelaria, Doce de Colher e Doce à Fatia, Biscoitos e Bolos Secos, Doces Festivos, Doces de Fruta e Mel e Doces de Inovação.

Segundo a organização, as inscrições podem ser feitas no sítio oficial da Internet das "Sete Maravilhas" até 07 de março.

A oitava edição do evento vai contar com 140 doces candidatos, sendo "votados por cada um dos 18 distritos e duas regiões autónomas", entre julho e agosto, onde vão ser conhecidos 28 pré-finalistas, em que oito serão repescados.

Com final marcada para 07 de setembro, as "Sete Maravilhas de Portugal" terá transmissão televisiva na RTP1 em "20 programas de 'daytime' em direto".

O evento terá 14 finalistas que vão ser avaliados pela "tradição, importância económica, social e cultural dos doces".

JML // MCL

Lusa/fim

+ notícias: País

Realizador do Porto vence melhor filme nos prémios do Cinema Português

Na 13.ª edição dos Sophia, João Canijo recebeu o prémio de Melhor Realização e conquistou ainda o de Melhor Filme por “Mal Viver”.

Portugal é o 10º melhor país para a comunidade LGBTQIA+

Portugal está de regresso ao top 10 do ranking europeu dos direitos das pessoas LGBTQIA+, naquela que é uma classificação da ILGA Europe que em 2022 colocava o país em 11º lugar. Desde 2016 que o primeiro lugar é ocupado por Malta, seguida de Islândia e Bélgica.

Portugal esgota na terça-feira os recursos deste ano e começa a usar os de 2025

Portugal esgota na terça-feira os recursos disponíveis para este ano, passando a consumir recursos que só deviam ser usados em 2025, indicam dados da organização internacional “Global Footprint Network”.