Milhares de professores de todo o país concentrados em Lisboa

Milhares de professores de todo o país concentrados em Lisboa
| País
Porto Canal com Lusa

Milhares de professores de todo o país estão, este sábado, concentrados na Praça Marquês de Pombal, em Lisboa, reivindicando direitos laborais.

Entre apelos à demissão dos responsáveis pela Educação, os manifestantes exigem "respeito".

"9A-4M-2D" é a mensagem replicada em cartazes, folhetos e t-shirts, referindo-se aos nove anos, quatro meses e dois dias de serviço congelado e que os professores exigem que seja contabilizado.

Os professores querem também um regime especial de aposentação, ao fim de 36 anos de serviço, uma revisão dos horários de trabalho no que diz respeito ao que é considerado componente letiva e não letiva e medidas que combatam o desgaste causado pela profissão.

A manifestação nacional foi anunciada no início de abril por 10 estruturas sindicais, reunindo a Federação Nacional dos Professores (Fenprof) e a Federação Nacional da Educação (FNE).

Caso o governo não ouça as reivindicações, os sindicatos admitem a realização de uma greve em época de provas nacionais, como disse à agência Lusa o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, em vésperas da manifestação.

+ notícias: País

Fisco vai avaliar e atualizar matrizes das barragens para cobrar IMI

A Autoridade Tributária e Aduaneira vai fazer uma avaliação e atualização das matrizes das barragens e avançar com a cobrança do IMI desta tipologia de bens, segundo determina um despacho do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Nuno Félix.

Período de transição entre contratos do SIRESP vai custar ao Estado 7,4 milhões de euros

O período de transição vai custar, ao Estado, 1,2 milhões de euros por mês. De acordo com o Jornal de Notícias, o processo só deverá estar concluído no final de junho.

Primeiro prazo para reforço do poder das regiões já falhou

O prazo para o reforço do poder das regiões, no âmbito da transferência de competências das direcções regionais para as CCDR, seria o fim de janeiro. No entanto, de acordo com o jornal Público, o diploma ainda não está concluído.