Governo contabiliza todo o serviço prestado por professores para reposição de carreira

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 03 mai (Lusa) - O Ministério da Educação anunciou hoje que vai contabilizar todo o tempo de serviço prestado" pelos professores "antes da profissionalização", para efeitos de reposicionamento de carreira, após um parecer da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Numa nota à imprensa, o ministério refere que o parecer da PGR, hoje recebido e homologado pela secretária de Estado Adjunta e da Educação, dá ao Governo "alguma margem de autonomia na ponderação do tempo de serviço em funções docentes anterior ao ingresso na carreira".

Contudo, assinala a nota, o ministério "não pretende utilizar essa possibilidade, mantendo a solução vertida na portaria que foi negociada entre as estruturas sindicais e a tutela e que tinha já sido enviada para publicação no Diário da República".

O parecer da PGR, pedido pelo Governo, diz respeito ao tempo de serviço prestado pelos professores antes de se profissionalizarem, para efeitos de reposicionamento na carreira docente.

ER // ARA

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Marcelo afirma que desconhecia custo do altar-palco e saúda declarações de Américo Aguiar

O Presidente da República afirmou esta quinta-feira que desconhecia o custo do altar-palco a construir em Lisboa para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) e saudou as declarações do bispo Américo Aguiar sobre esta matéria.

Durão Barroso afirma que os governos devem evitar a arrogância do poder

O antigo primeiro-ministro Durão Barroso disse esta quinta-feira que há um “peso excessivo” do poder central em Portugal e alertou para a importância de os governos evitarem a “arrogância do poder”, sublinhando que a sociedade civil devia ser “mais independente”.

Marcelo Rebelo de Sousa não quer interferir no diálogo entre professores e Governo

Marcelo aponta que não será ele a reunir com os representantes dos nove sindicatos que são recebidos esta quinta-feira em Belém, mas sim consultores da Presidência da República. “Nesta fase devem ser os consultores a ouvir os pontos de vista reivindicativos dos professores, hoje uma parte dos sindicatos. No sábado outro sindicato, para assim poder ter uma ideia geral das convergências, das divergências, daquilo que são os pontos fundamentais que prosseguem e depois ter a reação do ministério”.