Info

1.º Fórum do Património quer alternativa estratégica a abordagem "economicista"

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 23 jan (Lusa) - O 1.º Fórum do Património, que vai decorrer em abril, em Lisboa, anunciou hoje que quer criar uma "alternativa estratégica à abordagem demasiado economicista que vigora em relação ao património cultural".

Esta intenção foi hoje manifestada em conferência de imprensa, no Centro Nacional de Cultura (CNC), por Vítor Cóias, do Gecorpa - Grémio do Património, coordenador e um dos cinco organizadores do evento, presentes no anúncio do Fórum.

O responsável indicou que, no final desse Fórum, será produzida uma declaração final com um conjunto de princípios estratégicos para entregar aos decisores políticos, mas colocam a hipótese de fazer outras iniciativas, como pedir audiências aos grupos parlamentares, organizar manifestações e interpor providências cautelares, quando considerarem que estão a ser "cometidos erros graves" no setor.

"A forma como estamos a tratar o nosso património impede a sua utilização sustentável", afirmou o responsável na conferência de imprensa, apontando genericamente "falhas na legislação" e a "atitude predatória no setor imobiliário", como alguns dos fatores negativos.

Da comissão organizadora fazem ainda parte a Associação Portuguesa das Casas Antigas, a Associação Portuguesa dos Amigos dos Castelos, a Associação Portuguesa de Arqueologia Industrial e a Associação Portuguesa para a Reabilitação Urbana e Proteção do Património, sob a égide do ICOMOS - Conselho Internacional dos Monumentos e Sítios.

AG // MAG

Lusa/Fim

+ notícias: País

Entradas e saídas na AML voltam a ser proibidas no fim de semana

A proibição de circulação para dentro ou para fora da Área Metropolitana de Lisboa (AML) mantém-se no próximo fim de semana, mas quem tenha um certificado digital ou um teste negativo à covid-19 pode passar, anunciou hoje o Governo.

Governo diz que "não existem condições para prosseguir o desconfinamento" 

A ministra da Presidência anunciou hoje que não existem condições para prosseguir o plano de desconfinamento em Portugal, tendo em conta que o país se encontra "claramente na zona vermelha" da matriz de risco de controlo da pandemia.

Portugal com duas mortes, 1.556 casos e menos internamentos por Covid-19

Portugal registou nas últimas 24 horas duas mortes associadas à covid-19, 1.556 novos casos de infeções confirmadas, a maioria em Lisboa e Vale do Tejo, uma diminuição nos internamentos em enfermaria e um aumento nos cuidados intensivos.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.