Info

PS rejeita revisão constitucional que resulte na demissão do governador do BdP - António Costa

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 30 mar (Lusa) - O primeiro-ministro e secretário-geral socialista, António Costa, afirmou hoje que o PS rejeitará uma revisão constitucional "ad hominem" que resultasse na demissão do governador do Banco de Portugal que está em funções.

"O PS nunca defenderá qualquer revisão constitucional `ad hominem´ para fazer uma revisão constitucional que determine a demissão de um governador que está em exercício", afirmou, em resposta a um pedido de esclarecimento da deputada do CDS-PP, Assunção Cristas.

No debate quinzenal, no parlamento, a líder do CDS-PP disse que irá propor "várias alterações" no que respeita à "supervisão bancária" e questionou se o PS está disponível para "uma revisão alargada da Constituição que inclua estes temas".

Perante a recusa de António Costa, Cristas sugeriu que "qualquer norma transitória resolve esse problema".

António Costa, ressalvando que o governo não é parte de uma revisão constitucional, lembrou que o PS propôs o ano passado "antes do termo do mandato do então governador", que fosse alterado o processo de nomeação.

"A então maioria recusou liminarmente considerar essa hipótese, fez mal", criticou, acrescentando que o PS entende que "num Estado de direito há que garantir a estabilidade de uma autoridade independente".

"E portanto não é agora que se faz uma revisão constitucional para substituir um governador nomeado quando entenderam nomear", disse.

SF // ZO

Lusa/fim

+ notícias: Política

Mário Centeno garante margem para aumentos salariais e ataca "devaneios" do Bloco

O ministro Mário Centeno acusou hoje o Bloco de Esquerda de ter um problema "endémico" com as contas e defendeu que há margem financeira crescente no Programa de Estabilidade para atualizações salariais na administração pública até 2023.

Marcelo e mais 31 líderes mundiais pedem que 2019 seja "o ano da ambição climática"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e mais 31 líderes mundiais juntaram-se num apelo à comunidade internacional e aos Estados subscritores do Acordo de Paris para que 2019 seja "o ano da ambição climática".

José Soeiro diz que não é aceitável que as autoridades das condições de trabalho não fiscalize a Ryanair

Na ação de pré-campanha, desta quinta-feira no Porto, José Soeiro apontou baterias à forma como a Ryanair tem tratado os trabalhadores portugueses.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.