Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Técnicos portugueses vão à Noruega aprender sobre adaptação às alterações climáticas

| País
Fonte: Agência Lusa
Lisboa, 24 mai (Lusa) - Especialistas e técnicos portugueses na área do clima deslocam-se à Noruega para conhecer políticas e medidas definidas naquele país para a adaptação às alterações climáticas e apresentar as experiências a decorrer nalguns municípios portugueses.

A visita, a iniciar na segunda-feira, realiza-se no âmbito do projeto ClimAdaPT.Local, que envolve as câmaras municipais e pretende apoiar trabalhos de monitorização do clima de modo a identificar as vulnerabilidades de cada região, conhecimento que vai servir de base para a definição de medidas futuras de adaptação.

Durante quatro dias, especialistas da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), do CCIAM (Climate Change, Impacts, Adaptation and Modelling) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, da Quercus e do Instituto Português da Atmosfera (IPMA), vão contactar diversas entidades, avança uma informação da associação ambientalista.

Os municípios de Oslo, Drammen e Bærum, algumas universidades, a Agência Norueguesa de Ambiente, o Meteorologisk Institutt (instituto de meteorologia da Noruega) e organizações não governamentais vão receber os técnicos portugueses.

A Noruega, um dos países mais avançados na resposta à alterações climáticas, já está a aplicar estratégias, nomeadamente nos municípios, e a encontrar formas de lidar com a subida do nível do mar, de ultrapassar vulnerabilidades em relação a eventos meteorológicos extremos ou de enfrentar as consequências da mudança do clima na agricultura e nos ecossistemas.

A viagem, organizada pelo consórcio ClimAdaPT.Local com o apoio da Direção Geral de Proteção Civil Norueguesa e a Embaixada da Noruega, inclui a apresentação da situação portuguesa pelos representantes da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) e pelos técnicos das autarquias de Almada e Cascais, parceiros do ClimAdaPT.Local.

Portugal é um dos países mais vulneráveis aos efeitos das alterações climáticas, marcadas por fenómenos extremos, de pluviosidade ou falta dela, mas também de subida do nível do mar, afetando a zona costeira, como já aconteceu em vários pontos do litoral português, por exemplo, no ano passado.

Quase 70% do litoral português está em risco de erosão e, em 2014 e este ano, o investimento para aumentar a resiliência na zona costeira ascende a 300 milhões de euros, tendo sido elaborado um relatório acerca da ação necessária para a gestão do litoral, criando um novo modelo.

Em janeiro, foram assinados protocolos com 26 municípios de todo o país, que se juntaram a Sintra, Cascais e Almada, já com trabalho feito na adaptação às alterações climáticas e na integração de medidas nos vários planos das autarquias, como na gestão dos recursos hídricos, na saúde ou na defesa dos incêndios florestais.

O consórcio responsável pelo ClimAdaPT.Local é constituído por entidades portuguesas e norueguesas envolvidas em estudos, elaboração de estratégias e ações de adaptação, assim como no planeamento e gestão do território ao nível municipal e regional.

EA // SO

Lusa/Fim

+ notícias: País

Número de mortos do "pior dia do ano" em incêndios sobe para 42

Os incêndios florestais que deflagraram no domingo em várias zonas do país e que tornaram este o "pior dia do ano" em matéria de incêndios provocaram 42 mortos, disse esta quarta-feira à Lusa a adjunta do comando nacional da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) Patrícia Gaspar.

Atualizado 18-10-2017 18:09

Ordem dos Médicos exige auditoria independente e urgente ao SNS

A Ordem dos Médicos exigiu esta quarta-feira uma auditoria independente e urgente ao Serviço Nacional de Saúde (SNS), na sequência das conclusões de um relatório do Tribunal de Contas sobre o acesso a consultas e cirurgias.

José Palmeira: "mais importante às vezes do que pedir desculpa de uma forma formal é assumir a responsabilidade daquilo de mal que aconteceu"

José Palmeira, docente da Universidade do Minho, perante a demissão de Constança Urbano de Sousa, explica que existe uma incapacidade de resposta do Estado na situação dos incêndios mas que o "mais importante às vezes do que pedir desculpa de uma forma formal é assumir a responsabilidade daquilo de mal que aconteceu".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

Nota Alta

Mazgani - "The Faintest Light"