ESPECIAL CANDIDATURAS
CLIQUE AQUI PARA VER MAIS
Projeto Parceria
Porto Canal
Info

Meio milhar de automobilistas realizou buzinão contra aterro em Valongo

| Norte
Porto Canal com Lusa

Cerca de meio milhar de automobilistas participou hoje num buzinão contra o aterro instalado no concelho de Valongo, distrito do Porto, com viaturas decoradas com faixas pretas e frases a pedir ao ministro o encerramento da estrutura.

A ação de protesto arrancou às 09:00 no Largo do Passal, freguesia de Sobrado, e localidade onde está instalado o aterro. As várias centenas de carros que participavam no buzinão estavam decoradas com faixas pretas, fotografias de pessoas picadas por insetos e mostravam frases dirigidas ao ministro do Ambiente, Matos Fernandes, onde se lia "Encerre o aterro" ou "Seja ministro do Ambiente".

O buzinão seguiu depois para as localidades de Campo e Alfena, circulando ao longo de toda a manhã nas estradas do concelho de Valongo, com o objetivo de terminar a ação em Sobrado.

A Recivalongo, detentora desde 2007 do aterro para resíduos industriais da freguesia de Sobrado, em Valongo, começou a ser acusada em 2019 de "crime ambiental" pela população e pela Câmara Municipal de Valongo depois de ter sido detetado que a empresa detinha "mais de 420 licenças para tratar todo o tipo de resíduos".

Na marcha, algumas viaturas tinham também tarjas onde se podia ler que a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) era padrinho da ReciMALongo", com a sílaba "mal" escrita a vermelho.

Esta sexta-feira, 31 de julho, a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) anunciou ter notificado a empresa Recivalongo para alterar os termos das licenças de depósito de resíduos líquidos e aquosos e de construção que contenham amianto.

O anúncio surge um dia depois de o ministro do Ambiente ter afirmado, sobre a inspeção que mandou fazer há cerca de um mês ao aterro, que "há conclusões que foram enviadas à CCDR-N que obrigam a impor limitações ao funcionamento do aterro".

Em declarações hoje à Lusa, Diogo Pastor, um dos elementos do movimento Unidos pelo fim do aterro no concelho de Valongo - Juntos por Sobrado e que organizou a ação de luta de hoje, diz que a população continua "preocupada", pois mesmo que o aterro seja encerrado em breve, a população quer saber o que vão fazer às "milhares de toneladas de resíduos" que são ali "ilegalmente depositados".

"O que é que vão fazer às toneladas de resíduos. Ou será que a população vai estar com este fardo eternamente? Isto não é correto", declara Diogo Pastor, pedindo que sejam apuradas responsabilidades às autoridades e sugerindo a necessidade de colocar em marcha um processo disciplinar técnico independente.

"A CCDR-N tem de tirar as conclusões que tem de tirar e eu, ministro, não sou a entidade administrativa que passa licenças ou tira licenças", afirmou Matos Fernandes ao Porto Canal, acrescentando que "há um conjunto de incumprimentos que são bem claros na inspeção feita, mas o problema não tem só a ver com os incumprimentos, tem a ver com a licença", e indica que "a CCDR-N há de explicar aquilo que são as alterações à licença que o aterro tem".

Na comunicação desta sexta-feira, a CCDR-N informou ter notificado o operador para alterar os termos da licença de "deposição de resíduos líquidos e líquidos aquosos, bem como de resíduos de construção e demolição contendo gesso e resíduos de construção e demolição contendo amianto, os quais não podem ser depositados em célula onde sejam recebidos resíduos biodegradáveis, conforme indicado no normativo acima referido".

O aterro da Recivalongo deixou de receber resíduos provenientes de outros países no início de maio deste ano.

No dia 06 de julho, a Câmara de Valongo solicitou ao ministro do Ambiente a "imediata proibição de receção de amianto no aterro da Recivalongo", sob pena de "legitimar a deposição" daquele resíduo num local "na iminência de ser encerrado" pelo tribunal.

+ notícias: Norte

GNR registou 800 incêndios até domingo nos quatro concelhos mais afetados do distrito Porto

O comando territorial do Porto da GNR informou hoje ter registado, desde 01 de janeiro, cerca de 800 ocorrências de incêndio nos concelhos de Paredes, Felgueiras, Valongo e Santo Tirso, os mais afetados no distrito do Porto.

Homem de 40 anos detido em flagrante por violência doméstica em Melgaço

 

Um homem de 40 anos foi detido pela GNR, esta terça-feira, em flagrante por violência doméstica, no concelho de Melgaço, apurou o Porto Canal junto das autoridades.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.