Info

Altice Portugal vai "continuar a investir" no mercado português

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 14 nov 2019 (Lusa) - O presidente executivo da Altice Portugal, Alexandre Fonseca, fez hoje um balanço "positivo" dos resultados do terceiro trimestre e garantiu que empresa vai "continuar a investir" no mercado português, desde que "estejam reunidas as condições".

"Vamos continuar a investir" em Portugal, afirmou Alexandre Fonseca, num encontro com jornalistas em Lisboa, no âmbito dos resultados do terceiro trimestre da dona da Meo.

As receitas da Altice Portugal aumentaram 2,1% comparativamente ao terceiro trimestre de 2018, para 536 milhões de euros, crescendo 15 milhões de euros (+2,8%) face ao trimestre anterior, divulgou na quarta-feira a dona da Meo.

"O investimento vai continuar a ser prioridade", afirmou o gestor, "desde que estejam reunidas condições para isso".

Alexandre Fonseca sublinhou que se tem provado que "o investimento faz sentido", apontando que a aposta em zonas do país "onde mais ninguém investe" tem sido "reconhecido pelos autarcas, Governo e empresários".

O investimento (capex) nos nove primeiros meses do ano ascendeu a 295,6 milhões de euros.

Relativamente aos resultados, Alexandre Fonseca disse que são "bastante positivos", acrescentando que "apesar da liderança" a empresa "tem condições" para continuar a crescer.

"São sintomas sustentados daquilo que tem sido uma estratégia que se revelou de sucesso", sublinhou o presidente executivo da Altice Portugal.

"Esta estratégia está a dar certo", reiterou o gestor, que cumpre dois anos na liderança da Altice Portugal na próxima semana.

Alexandre Fonseca adiantou que o final deste ano e o início do próximo "vão ser férteis de muitas novidades", ou seja, lançamento de serviços e produtos "fora do ecossistema" da empresa.

O resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações (EBITDA) desceu 0,9% em termos homólogos para 216 milhões de euros no terceiro trimestre. Face ao segundo trimestre, cresceu 1,2% (dois milhões de euros).

ALU // EA

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Setor têxtil prevê fecho de duas mil empresas e perda de 28 mil postos de trabalho até 2025

O novo plano estratégico para o têxtil diz que o setor poderá perder duas mil empresas e 28 mil postos de trabalho. Apesar disso a associação dos empresários deste setor considera que não existem razões para alarmismos.

Alojamento local deve gerar impacto económico de 432 milhões de euros este ano em Portugal

A estadia em alojamento local deverá ter este ano em Portugal um impacto económico de 432 milhões de euros, segundo estimativas de um estudo hoje divulgado sobre o perfil do viajante português.

Portugal gasta quase metade do orçamento para saúde em ambulatório

Portugal gasta quase metade do seu orçamento para a saúde em cuidados de ambulatório e as despesas diretas das famílias são mais altas, em geral, do que a média europeia, segundo um relatório que é apresentado na quinta-feira em Lisboa.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.