Info

Trabalhadores de misericórdias em greve na sexta-feira por aumentos salariais

Trabalhadores de misericórdias em greve na sexta-feira por aumentos salariais
| Economia
Porto Canal com Lusa

Os trabalhadores da União das Misericórdias Portuguesas e das Misericórdias entregaram um pré-aviso de greve para a próxima sexta-feira por melhores condições de trabalho e aumentos salariais.

O pré-aviso de greve foi anunciado pela Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais e o protesto tem por objetivo a valorização dos trabalhadores, dignificação profissional e aumento dos salários de 2018 e 2019.

Em comunicado, a Federação adianta que a greve decorre na sexta-feira entre as 00:00 e as 24:00 e no que respeita aos trabalhadores que laboram em regime de turnos, a paralisação tem início desde o início do ciclo (na quinta-feira) prolongando-se até ao fim do ciclo seguinte.

Quando o ciclo se inicia depois das 00:00 a greve decorre por 24 horas.

A federação acrescenta que os serviços mínimos serão assegurados nos serviços que funcionem ininterruptamente 24 horas por dias, nos sete dias da semana, sendo proposto um número igual ao que garante o funcionamento aos domingos, no turno da noite, durante a época normal de férias.

Nos serviços que não funcionem ininterruptamente ou que não correspondam a necessidades sociais impreteríveis, a segurança e manutenção do equipamento e instalações serão asseguradas nos mesmos moldes em que o são nos períodos de interrupção ou de encerramento.

Entretanto, a Fenprof já veio anunciar que vai juntar-se, aliada com outros sindicatos, à "jornada de luta" dos trabalhadores da UMP e das Misericórdias na sexta-feira.

Os professores também estão em greve ao trabalho extraordinário, pedindo os sindicatos o cumprimento do horário de 35 horas semanais.

+ notícias: Economia

Conselho das Finanças Públicas "muito preocupado" com impacto de despesas como a TAP

A presidente do Conselho das Finanças Públicas, Nazaré Costa Cabral, alertou no sábado que o impacto de despesas como a do processo da TAP pode comprometer necessidades nas áreas da saúde e da segurança social.

"O plano de revitalização (da Efacec) deve manter os postos de trabalho"

Luísa Salgueiro, Presidente da Câmara Muncipal de Matosinhos, afirma que o "plano de revitalização (da Efacec) deve manter os postos de trabalho" e que o "sucesso próximo não depende incontornavelmente de uma solução exclusiva de capital público".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.