Info

Não há manifestamente condições para acordo em breve sobre orçamento da UE - Costa

| Política
Porto Canal com Lusa

Bruxelas, 18 out 2019 (Lusa) -- O primeiro-ministro indigitado, António Costa, considerou hoje em Bruxelas que, "neste momento, manifestamente não há condições" para ser alcançado no curto prazo um acordo sobre o orçamento da União Europeia para 2021-2027, dadas as "profundas divergências" entre os Estados-membros.

No final do Conselho Europeu realizado em Bruxelas entre quinta-feira e hoje, António Costa comentou que, "depois de um primeiro dia com boas notícias, com o acordo sobre o Brexit", teve lugar "uma segunda fase do Conselho sem boas notícias e sem conclusões sobre qualquer das matérias em debate", uma das quais a discussão sobre o futuro quadro financeiro plurianual da União pós-2020, que, comentou, teve apenas o mérito de deixar evidentes as diferenças entre os 27.

"No quadro da discussão sobre o quadro financeiro plurianual da UE, houve uma troca de pontos de vista que teve a vantagem de ser muito franca, muito aberta e muito clara entre todos, e onde ficou bastante evidente as profundas divergências que ainda existem em matéria do futuro quadro financeiro plurianual", disse.

Admitindo que há o risco de o calendário previsto para a adoção do futuro orçamento da UE atrasar-se e repetir-se a "descontinuidade" verificada há sete anos, ameaçando a execução atempada dos programas e fundos comunitários, o primeiro-ministro sublinhou todavia que também seria negativo "fazer rapidamente um mau acordo".

"Há esse risco, mas é sempre preciso ponderar entre a vantagem de fazer rapidamente um mau acordo ou investir mais algum tempo para obter um acordo melhor. Eu acho que, neste momento, manifestamente não há condições para fazer qualquer tipo de acordo no curto prazo", disse.

ACC // SF

Lusa/fim

+ notícias: Política

Bloco de Esquerda diz que o negócio do El Corte Inglês é altamente lesivo para o Estado

O Bloco de Esquerda diz que o negócio do El Corte Inglês no terreno da antiga estação ferroviária da Boavista, no Porto é altamente lesivo para o Estado. O partido critica o facto dos contratos feitos entre a Infraestruturas de Portugal, ainda proprietária do terreno, e o grupo espanhol, "nunca terem sido disponibilizados".

Catarina Martins defende a eliminação das portagens no interior do país

O Bloco que Esquerda quer eliminar as portagens nas Scut do interior do país. Depois o PCP é a vez do Bloco defender o fim das portagens como forma de diminuir as assimetrias no interior do país.

Gestão dos rios portugueses. Mais um exemplo de centralismo?

A gestão dos recursos hídricos que está totalmente centrada na Agência Portuguesa do Ambiente, é mais um exemplo do centralismo em Portugal. A conclusão é de uma investigadora da Faculdade de Engenharia do Porto que concluiu que existe uma enorme disparidade entre Portugal e Espanha na forma como os rios são geridos.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

"Este mundo espantoso, inquieto e...

D'Mais

Hora do chá - o que é o...