Info

Lançada petição pública para reativação da Linha do Douro até Barca d'Alva e Espanha

Lançada petição pública para reativação da Linha do Douro até Barca d'Alva e Espanha
| Norte
Porto Canal com Lusa

Os promotores de uma petição pública em defesa da requalificação e reativação da Linha Ferroviária do Douro, lançada este sábado na Régua, querem reunir até final do ano assinaturas suficientes para levar o abaixo-assinado à discussão no parlamento.

O documento - lançado hoje pela Liga dos Amigos do Douro Património Mundial e pela Fundação Museu do Douro - reclama a “completa requalificação e reabertura da Linha do Douro” (Ermesinde - Barca d'Alva e subsequente ligação a Salamanca, em Espanha).

O texto salienta a importância da linha “no quadro dos atributos que levaram à classificação do Alto Douro Vinhateiro como Património Mundial pela UNESCO [Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura]” e “para o desenvolvimento endógeno do Alto Douro Vinhateiro”.

A Linha do Douro está atualmente ativa entre o Porto e Pocinho, mas cada vez se ouvem mais vozes que defendem a reativação da ligação até Espanha, sendo objetivo da petição angariar o número suficiente de assinaturas para, “num horizonte de seis meses”, levar este tema à discussão na Assembleia da República.

Para uma discussão em plenário, são necessárias quatro mil assinaturas.

Segundo os promotores da petição, pede-se aos deputados para “ponderarem e promoverem que seja devidamente contemplado na versão final do Programa Nacional de Investimentos (PNI) 2030, ou em outro instrumento público adequado, o investimento na reabertura, requalificação e modernização de toda a Linha do Douro, até Barca d’Alva".

“Que o seja com caráter de primeira prioridade e com proporcionada dotação financeira”, e “em articulação com o Governo de Espanha” e a Comunidade Autónoma de Castela e Leão, “de modo a que seja também assegurado o investimento na ligação entre Barca d’Alva e La Fuente de San Esteban, na província de Salamanca”, reivindicam.

Em declarações à agência Lusa, António Marquez Filipe, da Liga dos Amigos do Douro Património Mundial, justificou o ‘timing’ da petição com o facto de se estar “no final da programação relativa ao PNI 2030, momento em que irão ser cristalizadas as opções de investimento para a próxima década”.

Adicionalmente, disse, “há hoje uma recetividade de Bruxelas para apoiar esta requalificação, que se traduzirá, seguramente, em apoios financeiros elevados”, tendo a Linha do Douro sido uma das 48 (num universo de 365) ligações ferroviárias fechadas selecionadas por Bruxelas como tendo “potencial de reabertura”.

Também destacados por Marquez Filipe são o papel do transporte ferroviário num contexto de necessária redução das emissões poluentes, a importância “deste tipo de investimento estruturante” para o Douro, face aos atuais problemas demográficos e da economia local da vinha e do vinho, e a “não despiciente camada adicional de riqueza” com que o turismo duriense pode contribuir para a economia nacional.

Segundo os promotores, a Comunidade Intermunicipal do Douro (CIMDOURO) apoia a petição, apontando a Linha do Douro como uma das três obras que considera estratégicas, a par do Itinerário Complementar 26 e do Douro’s Inland Waterway.

“Foi incluída na macroestratégia ‘Douro 2030 – Estratégia para uma Década’, remetida em 2018 à União Europeia, foi indicada pela CIM para constar no PNI e é entendida como determinante para o futuro do Douro por dinamizar a economia, fixar população, garantir maior atividade turística e ter uma vertente transfronteiriça que interessa a Portugal, à Espanha e à Europa”, sustentam.

Enumerando diversos argumentos para que a ferrovia seja entendida como essencial à economia e ao turismo do Douro e da região, o texto aponta que “a requalificação da Linha do Douro poderá ser vetor fundamental no turismo na região por ligar quatro patrimónios da Humanidade: o Porto, o Alto Douro Vinhateiro, Foz Côa e Salamanca”.

Os promotores da petição rejeitam conotações políticas, defendendo a iniciativa como defensora da região e apelando para que haja “coragem para pensar a longo prazo” e para que a obra seja “articulada com o Governo de Espanha e a autonomia de Castela e Leão”.

A petição agora lançada vai estar registada ‘online’ no ‘site’ da Assembleia da República, estando ainda disponível para assinatura em papel.

Num comunicado divulgado hoje, a Comissão Coordenadora Distrital de Viseu e o Núcleo de Lamego do Bloco de Esquerda saúdam esta iniciativa, recordando que o partido incluiu este projeto no seu Plano Nacional Ferroviário.

+ notícias: Norte

Jovem de 18 anos morre afogada no Gerês

Uma jovem de 18 anos morreu afogada, esta terça-feira, na cascata das Sete Lagoas, em Cabril, no Gerês, apurou o Porto Canal com o comandante dos Bombeiros Voluntários de Salto.

Atualizado 23-07-2019 17:50

Número de moradores do prédio Coutinho desce de nove para sete

A VianaPolis informou esta terça-feira à Lusa ter chegado a acordo com um casal que detinha um apartamento no prédio Coutinho, em Viana do Castelo, onde, segundo aquela sociedade, ainda permanecem sete pessoas em cinco frações.

Limitação de auxílio na aterragem no aeroporto do Porto obriga ao desvio de 10 voos 

10 voos tiveram que ser desviados do Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, na passada sexta-feira, tudo porque o aeroporto tem apenas um aparelho de auxílio à aterragem em caso de nevoeiro. Os aeroportos de Lisboa e de Faro têm dois aparelhos, isto apesar de serem cidades com muito menos dias de novoeiro do que a cidade 'invicta'. 

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.