Info

IEFP regista mais desempregados em Janeiro face a Dezembro e diminuição homóloga de 4,7%

IEFP regista mais desempregados em Janeiro face a Dezembro e diminuição homóloga de 4,7%
| Economia
Porto Canal

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego portugueses em janeiro era de 705.327, mais 14.792 pessoas do que no mês anterior, segundo o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP).

De acordo com a informação mensal publicada pelo instituto na sua página na Internet, o número de desempregados inscritos nos centros de emprego do continente e das ilhas representava 75,6% do total de pedidos de emprego (933.352).

Comparando com janeiro do ano passado, o número de desempregados diminuiu 4,7% - 3,3% de homens e 6,1% de mulheres.

Ainda face ao mesmo mês de 2013, diz o IEFP que por grupo etário houve um decréscimo de adultos desempregados de 5,4%, mas houve um acréscimo de jovens desempregados situado nos 0,4%.

Comparando o tempo de duração da procura de emprego entre janeiro e há um ano, houve uma descida acentuada do desemprego de curta duração (13,3%), "enquanto o número de desempregados de longa duração registava um acréscimo (7,5%)", diz o IEFP.

Entre janeiro do ano passado e janeiro deste ano houve um aumento de 21,2% no caso de pessoas à procura do primeiro emprego e um decréscimo de 7% nos que procuravam novo emprego.

Comparando os dados de há um ano e de agora mas em termos regionais, o IEFP refere que o desemprego diminuiu em todas as regiões do continente (menos 4,7%), com a Madeira a acompanhar essa tendência (menos 6,7%), mas os Açores a terem um aumento do desemprego de 2,1%.

Dos candidatos a emprego que já tinham trabalhado, a maior parte (63,9%) vinha (no fim de janeiro) de atividades do setor dos serviços (especialmente atividades imobiliárias, administrativas e comércio), seguindo-se, com 31,7%, as pessoas provenientes da indústria (especialmente da construção) e no final o setor agrícola, que "gerou" 3,5% dos desempregados em análise.

Comparando com janeiro de 2013, houve uma diminuição do desemprego na indústria e nos serviços (13,2% e 4,4%, respetivamente), mas um aumento no setor primário, de 2,8%. O setor automóvel e componentes, os têxteis e a indústria do vestuário foram os que mais desceram em termos de número de desempregados neste último ano, diz o IEFP.

O instituto indica que em janeiro o motivo principal de inscrição como desempregado foi o de "fim de trabalho não permanente" (37,4%), seguindo-se o despedimento (13,1%).

Também no final de janeiro, segundo o mesmo documento, as ofertas de emprego totalizavam 17.098, uma subida de 58,3% face a janeiro de 2013. Quer-se essencialmente pessoas para atividades imobiliárias, administrativas e serviços de apoio (26,2%), comércio por grosso e retalho (10,9%) ou alojamento, restauração e similares (10%).

Foram colocadas em janeiro 9.415 pessoas, 82,3% mais do que em janeiro de 2013 e 57,9% mais do que em dezembro último.

+ notícias: Economia

Afinal o "desperdício" existe. TAP volta com sete voos no Porto e mais de 200 em Lisboa

A TAP publicou esta segunda-feira a listagem das rotas em operação para os próximos dois meses e verifica-se, para o Aeroporto do Porto regressam três rotas, num total de sete voos por semana, e para Lisboa regressam mais de 200 voos.

Atualizado 25-05-2020 21:30

Norte é a região de menor rendimento por habitante do país, mas foi a que mais contribuiu para aumentar produtividade do trabalho. Mais 16,7% que a Área Metropolitana de Lisboa

 

O Norte foi a região que mais contribuiu para aumentar a produtividade laboral entre 2000 e 2017, crescendo 20% quando a Área Metropolitana de Lisboa subiu 3,3%, revelou hoje a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDRN).

CDS-PP defende reforço das linhas de crédito às empresas e redução de impostos

O CDS-PP defende um reforço das linhas de crédito de apoio às empresas e uma redução dos impostos. Se o Governo aceitar as propostas, Francisco Rodrigues dos Santos admite viabilizar o orçamento suplementar.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.