Info

Único vereador do PSD na Câmara da Lousã emigra por razões laborais

| País
Fonte: Agência Lusa

Lousã, 18 mar (Lusa) - O social-democrata Daniel Rodrigues, único vereador da oposição na Câmara da Lousã, vai abandonar o cargo temporariamente e emigrar para França, disse hoje o próprio à agência Lusa.

Na próxima reunião do executivo, no início de abril, o lugar do PSD na Câmara da Lousã, de maioria socialista, já será ocupado por Joaquim Lourenço, segundo da lista da coligação "Lousã Mais Forte" (PSD/CDS).

Sem fazer outros comentários, Daniel Rodrigues, licenciado em Direito, explicou que obteve "um contrato de trabalho", em França, e que numa primeira fase decidiu suspender o mandato por 90 dias.

Ex-líder do partido no concelho e presidente do Conselho Diretivo dos Baldios da Lousã, Lourenço será o novo vereador do PSD, num executivo em que o PS detém seis dos sete mandatos, sob a presidência de Luís Antunes.

"Irei fazer o meu melhor. Vou fazer oposição, defender rigor e que as coisas sejam claras" na gestão municipal, disse à Lusa.

Na sequência das últimas autárquicas, em que o PSD, apesar de coligado com o CDS, obteve o pior resultado eleitoral de sempre no concelho, demitiu-se da liderança da Comissão Política Concelhia do Partido Social-Democrata.

Entretanto, o substituto de Daniel Rodrigues na Câmara da Lousã optou por não se pronunciar, para já, sobre a anunciada exploração de caulinos em duas zonas do município da Lousã.

"Vou ter de analisar e depois, já em funções, tomarei posição", adiantou Joaquim Lourenço.

CSS // SSS

Lusa/Fim

+ notícias: País

Covid-19: DGS apela às pessoas que venham de áreas afetadas para não irem às urgências

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, apelou hoje às pessoas que regressem de Itália ou de outras áreas afetadas pelo novo coronavírus e que não apresentem sintomas da doença para não se deslocarem aos serviços de urgência.

Covid-19: Primeiro-ministro apela a boas práticas sem "pânicos desnecessários"

O primeiro-ministro afirmou hoje que é preciso agir sem "pânicos desnecessários" na questão do coronavírus, referiu que para já não há necessidade de fechar fronteiras ou escolas, mas desaconselhou as viagens de estudantes na altura da Páscoa.

Ministra da Saúde desvaloriza casos suspeitos de coronavírus nas urgências que foram encaminhados para casa

A ministra da Saúde desvaloriza os casos avançados pelo Porto Canal de pessoas que não foram encaminhados para exames mesmo apresentando sintomas e dizendo que tinham estado em zonas afetadas pelo coronavírus. Marta Temido diz que não são os únicos critérios para serem validados casos suspeitos de coronavírus.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.