Info

Clima: Centenas de jovens protestam em Sines, "um concelho muito poluidor"

| País
Porto Canal com Lusa

Sines, Setúbal, 24 mai 2019 (Lusa) -- Centenas de estudantes do litoral alentejano manifestaram-se hoje em Sines (Setúbal), "um concelho muito poluidor" e com "muitas fábricas", para defenderem o planeta, alertando que as alterações climáticas são "um problema atual, não do futuro".

"Temos a Central Termoelétrica de Sines, cujo encerramento defendemos, e muitas outras fábricas", como as "da Repsol ou da Galp", disse à agência Lusa Duarte Colaço, um dos porta-vozes da manifestação em defesa do planeta.

Segundo este aluno, que frequenta o 11.º ano da Escola Secundária Poeta Al Berto, de Sines, trata-se, pois, de "um concelho muito poluidor" e, "de manhã e à noite", isso nota-se: "Cheira mesmo muito mal, a enxofre e a gases tóxicos, o que não é muito agradável".

"E temos muita libertação de fumos das fábricas, o que é muito poluente e muito mau para o ambiente", acrescentou o aluno.

Em dia de greve climática estudantil, a manifestação em Sines começou por volta das 10:30, com uma concentração no Jardim das Descobertas, desfilando depois os alunos por diversas ruas da cidade até chegarem ao edifício da Câmara Municipal, cerca das 12:00, onde continuaram a protestar em defesa do ambiente e do futuro do planeta.

Fonte da GNR de Sines disse à agência Lusa que, no início, a manifestação chegou a juntar "cerca de 400" pessoas, mas, no final do desfile, junto ao município, concentraram-se "perto de 200".

Duarte Colaço confirmou que, em frente a câmara estiveram "cerca de 200 estudantes", porque "os alunos mais novos, por exemplo de escolas primárias, não participaram no desfile pelas ruas".

O protesto juntou estudantes de várias escolas de Sines, como as duas secundárias e uma básica, da escola Tecnológica do Litoral Alentejano, também no mesmo concelho, das escolas secundárias de Santiago do Cacém e Santo André e de escolas do concelho de Odemira (Beja).

Com diversos participantes vestidos de preto, para simbolizar "o luto pelo planeta", de acordo com Duarte Colaço, gritaram-se palavras de ordem como "Não há Planeta B" ou "Senhor presidente porque deixa esta bela cidade ter uma fábrica tão poluente", numa mensagem dirigida ao autarca de Sines.

Outros empunhavam cartazes que diziam "You Will die of old age, I will die of climate change" ("Tu vais morrer de velhice, eu vou morrer por causa das alterações climáticas"), "Oh mar quanto do teu sal é plástico de Portugal" e "Pequenas mudanças, grandes Repercussões".

"Os governos não se têm preocupado com o clima e os jovens é que vão revolucionar isto tudo. Nós temos mesmo de agir, somos o futuro e temos voz e poder para falar perante muitas pessoas e temos que ser ouvidos", reivindicou Duarte Colaço.

Outra aluna da mesma escola de Sines, mas do 10.º ano, Mafalda Carreira, insistiu à Lusa que "é importante" os jovens mostrarem "aos líderes políticos que não estão satisfeitos com o estado atual do planeta" e que "este é um problema atual, não é um problema do futuro. As mudanças têm de acontecer agora".

A greve climática estudantil é inspirada na sueca Greta Thunberg, 16 anos, que no ano passado iniciou um boicote às aulas para exigir do parlamento da Suécia ações urgentes para travar as alterações climáticos, um protesto que rapidamente se replicou por todo o mundo.

Estão previstas ações dos jovens em mais de 1.600 cidades de 119 países. Em Portugal estão hoje previstas manifestações em pelo menos 48 locais, por todo o país.

RRL (FP) // HB

Lusa/Fim

+ notícias: País

Covid-19: DGS apela às pessoas que venham de áreas afetadas para não irem às urgências

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, apelou hoje às pessoas que regressem de Itália ou de outras áreas afetadas pelo novo coronavírus e que não apresentem sintomas da doença para não se deslocarem aos serviços de urgência.

Covid-19: Primeiro-ministro apela a boas práticas sem "pânicos desnecessários"

O primeiro-ministro afirmou hoje que é preciso agir sem "pânicos desnecessários" na questão do coronavírus, referiu que para já não há necessidade de fechar fronteiras ou escolas, mas desaconselhou as viagens de estudantes na altura da Páscoa.

Ministra da Saúde desvaloriza casos suspeitos de coronavírus nas urgências que foram encaminhados para casa

A ministra da Saúde desvaloriza os casos avançados pelo Porto Canal de pessoas que não foram encaminhados para exames mesmo apresentando sintomas e dizendo que tinham estado em zonas afetadas pelo coronavírus. Marta Temido diz que não são os únicos critérios para serem validados casos suspeitos de coronavírus.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.