Info

Crianças em contentores no Hospital São João transferidas até ao verão para o edifício

| Norte
Porto Canal com Lusa

O Hospital de São João, no Porto, avançou esta quarta-feira que, até ao final do verão, as crianças internadas em contentores serão transferidas para o edifício principal e que as obras da ala pediátrica deverão estar concluídas em 2021.

"Tem sido nossa preocupação e da tutela em progressivamente retirarmos as crianças dos contentores", onde estão a pediatria e neurocirurgia, afirmou na Comissão Parlamentar de Saúde José Artur Paiva, que está a presidir interinamente desde fevereiro o Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ).

O ex-diretor clínico do hospital adiantou que estão a ser feitas obras no piso oito do hospital, o que vai permitir "a deslocalização de um serviço que também está em contentores que é a neurocirurgia para esse piso" e com isso agrupar toda a hematooncologia no mesmo local.

"Nós poderemos, e é este o plano, colocar toda a área cirúrgica da pediatria em áreas em que há deslocalização destes serviços, nomeadamente no piso quatro que poderá vir a conter no final de maio toda a área cirúrgica da pediatria", adiantou José Artur Paiva na comissão, onde foi ouvido a pedido do CDS-PP.

Avançou ainda que, até ao final do verão, a oncologia pediátrica poderá também ser deslocalizada para o interior do hospital.

"Com isso o que restará do edifício externo é a parte de alvenaria. Ou seja, não terá a parte dos contentores", afirmou José Artur Paiva.

Questionado pelos deputados sobre a construção da ala pediátrica, José Artur Paiva afirmou que a história da ala pediátrica tem "um passado tortuoso, complicado e difícil, uma estrada de pedras".

"Mas eu creio que, acreditando na bondade das pessoas e acreditando que todos queremos o bem das crianças, dos pais das crianças, das famílias e dos profissionais" que estão criadas as condições para "o fim dos contentores no verão deste ano e a ala pediátrica pronta em 2021".

Para José Artur Paiva, o momento é de "felicidade e estabilidade", porque "finalmente estão constituídas as condições para com cofinanciamento público poder ser construída a ala pediátrica do Centro Hospitalar São João". Foi deslocada uma verba para a conta do hospital de 19,8 milhões de euros e há também um valor de três milhões de euros que engrossou o capital social e que pedimos que fosse adjudicado à ala pediátrica, disse, adiantando que a obra deverá arrancar no segundo semestre deste ano com a previsão da sua conclusão anos.

Relativamente à tomada de posse da parcela de imóvel, José Artur Paiva disse que decorridos os três meses no início de março e não tendo havido entrega do terreno por parte da Associação Joãozinho, o hospital comunicou oficialmente na semana passada à associação Joãozinho que tem um prazo de 10 dias úteis em relação à emissão da carta para entregar o terreno.

"Estamos certos que o interesse de toda a gente, porque as pessoas são de bem, é a construção da ala pediátrica e estando assegurado o tripé [financiamento público, projeto de execução da obra e a posse da parcela de imóvel] não vemos razão para que o projeto não seja executado", vincou.

O Conselho de Administração do Hospital de São João, que terminou o mandato no passado dia 31 de dezembro, pediu no início de janeiro a renúncia de funções explicando na altura que a decisão pretendeu "facilitar a sua substituição da forma mais rápida possível".

O Hospital São João tem sido notícia nos últimos meses devido às obras de construção da ala pediátrica, a funcionar há cerca de dez anos em contentores.

Há dez anos que o Hospital de São João tem um projeto para construir uma ala pediátrica, mas desde então o serviço tem sido prestado em contentores.

O parlamento aprovou em 27 de novembro, por unanimidade, a proposta de alteração do PS ao Orçamento do Estado para 2019, de forma a prever o ajuste direto para a construção da ala pediátrica.

+ notícias: Norte

Uma família desalojada e nove casas atingidas com queda de grua no Porto

A grua que caiu hoje numa rua da cidade do Porto provocou o desalojamento de uma família e danos em nove casas, adiantou à Lusa fonte do Comando Distrital de Operação de Socorros (CDOS) do Porto.

Habitantes de Amarante e Celorico de Basto aliviados pela construção da barragem de Fridão não avançar

A EDP ameaça avançar sozinha para a construção da barragem de Fridão se o Governo não lhe devolver os 218 milhões de euros já investidos. É a resposta da elétrica ao anúncio do ministro Matos Fernandes, de cancelar a construção da barragem no rio Tâmega. Um anúncio que também fez reagir alguns autarcas que falam em ato criminoso e que ameaçam levar o Governo a tribunal.

Incêndio em stand na Trofa destrói 20 motos

Um incêndio num stand de motos, na freguesia de Bougado, na Trofa, distrito do Porto, destruiu hoje 20 motociclos que se encontravam na zona da oficina, disse à Agência Lusa fonte dos bombeiros locais.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.