Info

Portugal pouco pode fazer contra riscos externos - Mourinho Félix

| Economia
Porto Canal com Lusa

Bruxelas, 11 fev (Lusa) -- O secretário de Estado das Finanças afirmou hoje em Bruxelas que o Governo "obviamente" acompanha os riscos que podem condicionar o ritmo de crescimento da economia portuguesa, mas salientou que Portugal "pouco pode fazer" contra riscos externos.

Em declarações aos jornalistas à saída de uma reunião do Eurogrupo, na qual a Comissão Europeia apresentou as suas previsões económicas de inverno (publicadas na semana passada), Ricardo Mourinho Félix desvalorizou a revisão em baixa "muito ligeira" de Bruxelas para o crescimento da economia portuguesa, afirmou que "não há nenhuma razão" neste momento para o Governo fazer qualquer revisão relativamente às suas próprias projeções, mas admitiu que há riscos, "eminentemente externos", contra os quais o país "pouco pode fazer".

O secretário de Estado lembrou que "as previsões de Portugal são feitas na altura do orçamento (de Estado para o ano seguinte) e depois revistas com informação entretanto divulgada até à altura do Programa de Estabilidade e Crescimento", que os Estados-membros devem apresentar a Bruxelas em abril de cada ano, enquanto o executivo comunitário divulga previsões quatro vezes ao ano.

"A Comissão divulgou agora as suas previsões (de inverno) e eu devo notar que, em relação às previsões da Comissão, a revisão que é feita para Portugal é uma revisão muito ligeira, de apenas uma décima face às anteriores previsões da Comissão, e que a revisão é muito mais pequena do que a revisão que é feita para a área do euro como um todo", apontou, referindo-se ao facto de Bruxelas prever agora que a economia na zona euro progrida este ano 1,3%, seis décimas abaixo da sua anterior projeção (1,9% do PIB).

O secretário de Estado Adjunto e das Finanças realçou que há mesmo "uma alteração muito significativa nessas projeções", pois "Portugal nas anteriores projeções estava a crescer muito em linha com a área do euro e agora cresce acima da área do euro", pelo que estas projeções de inverno "apresentam agora a continuação da convergência com a área do euro, que é algo que o Governo tem sempre salientado".

Ricardo Mourinho Félix comentou que, "obviamente que há um abrandamento" mas apontou que "esse abrandamento estava já nas previsões, e portanto não há aí uma novidade", restando conhecer "a magnitude do abrandamento, algo que tem que ser avaliado com um conjunto de informação" e que o Governo fará "por altura do programa de estabilidade".

"Não há nenhuma razão para neste momento estar a fazer qualquer revisão. O que há razão é para acompanhar a evolução dos indicadores e, na altura do programa de estabilidade, então incorporar toda a informação e fazer as alterações que tenham que ser feitas", salientou.

O secretário de Estado sublinhou então que "obviamente que isto implica que se acompanhe, que se analisem quais são os riscos, e esses riscos são riscos eminentemente do lado externo da economia portuguesa, e contra o qual Portugal pouco pode fazer".

"É uma economia aberta, é uma economia cada vez mais aberta, isso é importante do ponto de vista da afetação dos recursos, da capacidade de crescimento potencial, mas também (a torna) mais exposta àquilo que é a atividade económica internacional, e portanto isso tem que ser sempre considerado quando se avaliam as previsões", concluiu.

Na última quinta-feira, a Comissão Europeia reviu em baixa a sua previsão para o crescimento da economia portuguesa este ano, prevendo uma expansão de 1,7% (uma ligeira revisão em baixa face às suas previsões de outono, de 1,8%), abaixo da estimativa do Governo que continua a apontar para uma expansão de 2,2% do PIB este ano.

ACC/ANE (ECR) // EA

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Governo diz que distribuição de combustível deverá ultrapassar serviços mínimos

O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, garantiu hoje que a situação de distribuição de combustível está "na normalidade", devendo os serviços mínimos ser ultrapassados hoje, quarto dia de cumprimento da greve dos motoristas de matérias perigosas.

Antram defende que incumprir serviços mínimos e requisição civil prejudica a economia

O porta-voz da associação das empresas de transportes de mercadorias (Antram) considerou que o apelo esta quarta-feira lançado pelo sindicato dos motoristas de matérias perigosas para que ninguém trabalhe vai prejudicar gravemente a economia.

Greve dos motoristas está a causar prejuízos de dezenas de milhares de euros por dia para empresas

O presidente do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), Francisco São Bento, disse esta terça-feira que as empresas de transporte de combustíveis estão a ter prejuízo de dezenas de milhares de euros por cada dia de greve.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.